terça-feira, 30 de abril de 2013

AVE FÉNIX



Encontré a un amigo muy contento. No es para menos. Acaba de ser confirmado en su tranquilidad y puede decirse a sí mismo: “Ya lo sabía, estoy del lado correcto”.

Mi amigo acaba de leer el último editorial del Padre Bouchacourt, titulado "¿UNA NUEVA ERA?".

Ni bien me ve me dice con aire satisfecho: “¿Qué van a decir ahora los que siempre critican? ¿Qué van a decir los ultras, los extremistas, los que se fueron por derecha? Nada ha cambiado en la Fraternidad y esto lo confirma. No hay nada para decir. El Padre Bouchacourt ha hablado claro, muy claro”.

Bueno –le dije, sin esperar a que recabara mi opinión y tal vez para no dejar que su discurso se agotara es vanas repeticiones-. Este Editorial está muy bien, cómo no. Pero…

-¿Pero qué? –preguntó un tanto impacientado.

-Me pregunto qué pasó con el cisne.

-¿Qué cisne?

-Ese que según el Padre Bouchacourt, en el Editorial anterior, cantaba melodiosamente porque era su último canto. O sea, según su diagnóstico, ese cisne que era el Vaticano II, tras cumplir 50 años, se estaba acabando, se estaba muriendo, tras lo cual llegaría el momento en que Roma volvería a la Tradición. La hora de la muerte para el Vaticano II había llegado. Ahora, tan sólo un Editorial después, el Padre Bouchacourt afirma que el papa Francisco no habla del Vaticano II simplemente porque ¡lo vive! Es decir, lo lleva a la práctica más aún que su predecesor. Amigo, no quiero enturbiar tu alegría, pero dime por favor, si el cisne se estaba muriendo, ¿cómo es que ahora rebosa salud? ¿Cómo está vivito y volando? ¿Puedes explicarme eso? ¿Se trata acaso del “ave fénix” que ha renacido de sus cenizas?

-Bah, eso no tiene importancia, son sólo metáforas, imágenes que se usan para escribir una nota periodística. Lo importante es que se critica a Francisco como se debe…

-Es cierto…

-Hasta lo llama “un populista militante”, palabras bastantes duras.

-¿Populista? ¿Qué quiere decir con eso?

-Y…supongo que alguien que siempre busca apoyarse en el pueblo, en las mayorías, que apela a ellas como fuente de poder. Podría decirse, alguien que quiere complacer a la gente antes que a Dios.

-Ajá. ¿Es alguien que podría por ejemplo decir: “vamos a hacer lo que la mayoría piensa”, aunque esa mayoría se equivoque, como dijo Monseñor de Galarreta? ¿O decir algo sólo para agradar a la opinión pública, aunque no sea cierto, como que “después de las discusiones, nos hemos dado cuenta que los errores que creíamos provenientes del Concilio de hecho son resultado de la interpretación común que se ha hecho de él”, como dijo Monseñor Fellay a la televisión?

-¿Pero eso qué tiene que ver? No tiene nada que ver con esto. El tema ahora es este Editorial.

-¿Ah, nada qué ver? Es más fácil ver la paja en el ojo ajeno que en el propio, evidentemente.

-Igualmente la crítica la hace y eso es bueno.

-Cierto, pero…

-¿Pero qué?

-En este Editorial el P. Bouchacourt dice de Francisco: “¿No hay ahí una contradicción? Tal contradicción es, por desgracia, lo propio del modernismo que denunciaba San Pío X”. Pero ¿acaso puede denunciar la contradicción de otro quien se contradice a sí mismo? Primero dijeron que no iba a haber acuerdo práctico con Roma sin acuerdo doctrinal. Luego, que no hacía falta estar de acuerdo en todo doctrinalmente porque no se podía esperar una conversión de los modernistas, y por eso había que aceptar un acuerdo práctico de Roma. A veces se condenaba el Vaticano II, y a veces se decía de él que no había que exagerar su crítica o que el problema era acerca de su interpretación o que se lo aceptaba en un 95%. Al principio del pontificado de Benedicto dijo Monseñor Fellay que éste era hegeliano y más tarde que quería restaurar la Iglesia. Monseñor Fellay dijo que a partir del 2006 las cosas habían cambiado en favor de la Fraternidad en Roma –y no sólo por el papa sino porque allí había muchos amigos de la Fraternidad-, ahora el padre Bouchacourt no parece acordarse de esos amigos restauracionistas dentro del Vaticano. ¿Cómo es la cosa? Dijo Monseñor Fellay: “Está claro que nosotros no firmaremos un acuerdo si las cosas no son resueltas al nivel de los principios (…) No podemos permitirnos ambigüedades… (el acuerdo) sería construido en zonas grises, y que apenas firmado, la crisis resurgiría en estas zonas grises. Entonces para resolver el problema es necesario que las autoridades romanas manifiesten y expresen de manera clara, de manera que todo el mundo comprenda, que para Roma no hay treinta y seis caminos para salir de la crisis, no hay más que uno solo que vale: que la Iglesia reencuentre plenamente su propia Tradición bimilenaria. El día que esta convicción sea clara en las autoridades romanas, e incluso si sobre el terreno todo está lejos de estar resuelto, los acuerdos serán más fáciles de realizar” (Mons. Fellay, en revista Fideliter 171, mayo junio 2006). Más tarde dijo: “Algunos argumentan que para trabajar “con seguridad” en la Iglesia, en primer lugar, ésta debe limpiarse de todo error. Esto es lo que se dice cuando se afirma que Roma debe convertirse antes de cualquier acuerdo, o que los errores deben ser primero removidos para que podamos trabajar. Pero esta no es la realidad” (Mons. Fellay entrevista a DICI, 7-6-2012). Y en su respuesta a los tres obispos: “Pretender esperar a que todo se arregle para llegar a lo que ustedes llaman un acuerdo práctico, no es realista”. Ahora bien, ¿todo eso no son contradicciones? ¿Así que ahora de repente nos ponemos otra vez duros contra Roma como si antes no hubiese pasado nada? ¿Cómo si no se hubiese provocado una división, y expulsiones y castigos a raíz de la oposición de algunos valientes sacerdotes y un valiente obispo a ponerse en manos de los modernistas de Roma? “No podemos permitirnos ambigüedades”, había dicho Monseñor Fellay, y luego envía a Roma una Declaración doctrinal que mantuvo en secreto porque tenía ambigüedades y contradecía lo que siempre se había dicho en la Fraternidad.
Ahora parece que el espíritu combativo de la Fraternidad, que estuvo durante mucho tiempo sumergido por los discursos moderados, conciliatorios y solícitos hacia los enemigos modernistas de Roma, ahora pareciera que ese espíritu heredero de Monseñor Lefebvre, renaciera como el “ave fénix”. Pero acá lo que demuestra este Editorial de “Iesus Christus” es que el Padre Bouchacourt baila la música que Monseñor Fellay le toque. Porque cuando Monseñor Fellay todavía no perdía las esperanzas de llegar a un acuerdo práctico con Roma, el Padre escribía el epitafio del modernismo, llegando a hablar del "canto del cisne". Ahora que Mons. Fellay, con la "Carta n° 80 a los Amigos y Benefactores", pretende hacernos creer que ha dado un giro de 180° a su estrategia respecto de Roma, volviendo -al menos en el papel, al menos en su discurso- al lenguaje "duro"; el Padre hace exactamente lo mismo.

Moraleja: no se puede confiar ni en uno ni en otro.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

O Grande Castigo



O Grande Castigo anterior à Segunda Vinda de Nosso Senhor é algo desconhecido pela maioria dos católicos. Sobre isto, há um artigo revelador do famoso articulista espanhol, Pe. Benjamín Martín Sánchez. Este documento é o ponto de partida:
Algumas considerações a respeito:
1. O Grande Castigo encontra-se na revelação pública. O Pe. Martín assinala algumas passagens da Bíblia. Há dezenas:
Objeçãoos intérpretes geralmente relacionaram estas passagens ao Juízo Final.
Resposta: o ponto é opinável.


Isaías 29, 6: “E será isto coisa repentina e inesperada. O Senhor dos Exércitos visitará esta multidão em de trovões e terremotos, e grande estrondo de tufões e tempestades, e de chamas de um fogo devorador”.
Isaías 47, 11: “Cairá sobre ti a desgraça, e não saberás donde nasce: e  cairá sobre ti uma calamidade, que não poderás afastar com vítimas de expiação: virá repentinamente sobre ti uma imprevista miséria.” Jeremias 23, 19-20: “Eis que aquí se levantará o torvelinho da indignação divina, e a tempestade, rompendo a nuvem, descarregará sobre a cabeça dos ímpios… nos últimos dias é que compreendereis seu desígnio”.
Jeremias 30, 23: “Mas eis que aqui o torvelinho do Senhor, o furor que está respirando, a iminente tempestade, tudo descarregará sobre a cabeça dos ímpios. 24 Não apaziguará o Senhor o furor de sua indignação, até que tenha executado e cumprido os desígnios de seu coração: no fim dos tempos entendereis estas coisas”. Zacarias 14, 6: “E naquele dia não haverá luz, senão unicamente frio e gelo. 7 E virá um dia que é conhecido somente do Senhor, que não será nem dia, nem noite; mas ao fim da tarde, aparecerá a luz”. 
A Providência tem reservado um meio imprevisto, que fará de um só golpe o que teria demorado muito tempo seguindo o curso normal das coisas”(Venerável Frei Jacinto Coma).
Repentinamente acabará a Revolução por um milagre que causará o assombro do universo” (Petite Marie des Terreaux).
2Ao Grande Castigo se referem, igualmente, uma grande quantidade de revelações privadas. Desde a “Didaché” e “O Pastor de Hermas” até La Sallete e Akita, uma grande quantidade de profecias nos anunciam um grande castigo por meio do fogo nos últimos tempos. No documento a que corresponde este link:
diz-se que
“As profecias referentes à grande punição que precederá a um extraordinário triunfo da Igreja são inumeráveis. Todas convergem para a Mensagem de Fátima, que é sua confirmação, feita pela própria Virgem Mãe de Deus. 
É possível observar algumas características das mesmas: 
1) Não se contradizem umas com as outras, senão que se completam e se ampliam.
2) El Castigo virá de uma maneira inesperada, quando tudo parecer perdido.
Será terrivelmente exterminador.
4) Ademais de guerras, epidemias, convulsões naturais etc., haverá uma intervenção direta e visível dos demônios e das legiões angélicas.
O triunfo da Causa Católica se produzirá com um grande golpe da Providência e a Revolução cairá "colapsada" instantaneamente.
3. Segundo se depreende da leitura e da análise destas revelações, ao Grande Castigoseguirá uma grande restauração da Igreja e do mundo.
Prova por Fátima“... e será concedido ao mundo um tempo de paz". Aqui surge uma dúvida: quanto tempo durará essa restauração ou paz? Sobre a duração, se pode supor razoavelmente que ela será de séculos.
ObjeçãoLa Sallete parece dizer que essa paz durará só 25 anos: "Esta paz entre os homens não será larga; vinte e cinco anos de colheitas abundantes far-lhes-ão esquecer que os pecados dos homens são a causa de todos os castigos que ocorrem na Terra."
Resposta: não diz que a paz durará 25 anos, senão que em algum momento posterior ao início desse período de paz, haverá 25 anos seguidos de boas colheitas que farão esquecer, etc. O que causará a nova decadência? Não o sabemos, mas como nem o “Grande Castigo” nem a “Paz de Maria” tirarão da humanidade os efeitos do pecado original, é normal que haja novas crises.
4. A leitura das diversas profecias permite afirmar que o Grande Castigo consistirá em uma "chuva de fogo" que se produzirá durante "três dias de trevas". Um e outro fenômeno serão de índole milagrosa. A revelação da chuva de fogo e a igualmente reiterada profecia (presente tanto na revelação pública como na privada) dos “Três Dias de Escuridão” se identificam: são o mesmo “Grande Castigo” prévio à Parúsia, que também recebe o nome de “Juízo das Nações”.
5. É mais: este Grande castigo, que produzirá a morte de todos os malvados, dos inimigos de Deus, o extermínio de 2/3 (o ¾) da humanidade seria o meio pelo qual se produziria o Triunfo do Coração Imaculado de Maria. Deve-se notar que tal matança universal seria a maneira mais antiliberal de acabar com o liberalismo.
6. As datas... Este é um terreno muito resvaladiço, mas algo se pode conjecturar. A este respeito, tenha-se em conta que Malachi Martin disse conhecer o conteúdo do Terceiro Segredo de Fátima e assinalou, entre outras coisas, que até 2017 tudo o que fosse referente a esse segredo já se teria cumprido. O estigmatizado Ruffini disse, por sua vez, que o sucessor do Papa Bento XVI consagrará Rússia ao Coração Imaculado:
Há duas datas próximas muito significativas:
•         No ano 2017, a 100 anos de Fátima, poderia sobrevir o Grande Castigo ou outro castigo tremendo por não se ter consagrado a Rússia. Guerra nuclear, mundial o européia? Ler este excelente artigo:
•       Outra data chave é 2029, aos 100 anos exatos do pedido de consagração da Rússia. Interessante: 1959 é o primeiro ano do pontificado do primeiro Papa liberal, João XXIII (eleito em outubro de 1958). Neste ano o Papa anuncia o fatídico Vaticano II. Até 2029 são exatamente 70 anos, mesmo tempo que durou o cativeiro babilônico. A ocupação da Igreja por parte da seita liberal e modernista duraria os mesmos 70 anos.
E o Anticristo? Pode reinar na crise final e definitiva, posterior aos séculos da Paz de Maria; pode reinar logo após a guerra mundial-nuclear (2017?) e antes do Grande Castigo (2029?), etc.
Objeção: São Paulo parece dizer que o Anticristo será morto por Cristo em sua Parúsia: "E então será manifestado aquele iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de sua boca e destruirá com o resplendor de sua vinda" (2 Tes. 2, 8).
Resposta: a expressão “com o sopro de sua boca” admite diversas interpretações. A frase"com o resplendor de sua vinda" poderia indicar algo prévio à Parúsia. Acaso o mesmo fogo do Grande Castigo poderia ser como um resplendor da futura vinda de Nosso Senhor?

P. Miguel de Maria
Março de 2013.

Retirado do site: http://www.nossasenhoradasalegrias.com.br/

sexta-feira, 19 de abril de 2013

quarta-feira, 17 de abril de 2013

O Mosteiro da Santa Cruz precisa de nossa ajuda


Como todos sabem, o Mosteiro da Santa Cruz tornou-se um dos mais importantes eixos internacionais em torno dos quais gira a chamada Resistência. E, em razão da importância que assumiu nesta luta contra qualquer acordo entre a Tradição e a Roma liberal, tornou-se uma espécie de centro de estada e de peregrinação. Aumentou muito o número de pessoas que agora vivem definitiva ou provisoriamente nele: sacerdotes expulsos da neo-FSSPX, novos postulantes à vida monástica, leigos que querem formar-se ou encontrar um refúgio espiritual, além das seis monjas que cuidam da escola, e desta mesma escola e seus alunos: com respeito a ela, o Mosteiro trabalha no vermelho, até porque os pais de parte das crianças que a frequentam não têm condições financeiras para sustentá-la totalmente.
Pois bem, o Mosteiro precisa de nossa ajuda financeira. Se de fato estamos comprometidos com a luta pela preservação da verdadeira Tradição, não deixemos de destinar o dinheiro que pudermos ao nosso querido e indispensável Mosteiro da Santa Cruz. Basta entrar no banner Doações para o Mosteiro da Santa Cruz, na coluna da direita deste blog (  http://spessantotomas.blogspot.com.br/ )   , e contribuir mensalmente ou ao menos alguma(s) veze(s) com quanto possível.
Estejamos certos das orações desses valorosos monges: para isto vivem, para rogar a Deus graças para os pecadores.

Kasper admite ambiguidade intencional.


Fonte: http://fratresinunum.com/2013/04/17/kasper-admite-ambiguidade-intencional/

Por Unam Sanctam Catholicam | Tradução: Fratres in Unum.com


O Cardeal Walter Kasper fez uma declaração impressionante nas páginas do L’Osservatore Romano na última sexta-feira. Ao apresentar algumas reflexões sobre os desafios enfrentados pela Igreja e o problema (perpétuo) contínuo da “verdadeira interpretação do Vaticano II”, Kasper, falando sobre os documentos do Concílio, afirmou:
“Em muitos lugares, [os Padres Conciliares] tiveram que encontrar fórmulas de concessões, em que, frequentemente, as posições da maioria estão localizadas imediatamente próximas àquelas da minoria, projetadas para limitá-las. Assim, os textos conciliares em si têm um enorme potencial de conflito, sendo uma porta abeta à recepção seletiva em uma ou outra direção.” (Cardeal Walter Kasper, L’Osservatore Romano, 12 de abril de 2013)
Nas declarações do Cardeal, temos basicamente uma afirmação de uma tese fundamental de Michael Davies e da maioria dos tradicionalistas: de que os próprios documentos conciliares têm ambiguidades em si e estão sujeitos a uma multiplicidade de interpretações. Este conceito de ambiguidade conciliar tem sido negado por muitos apologistas conservadores/populares, que insistem em dizer que os documentos conciliares são claros como o dia e que somente a malícia dos dissidentes é que está impelindo uma falsa interpretação que é responsável pela nossa atual confusão.
Entretanto, os tradicionalistas e, ironicamente, também Kasper, têm insistido que a destruição que seguiu o Concílio pode ser remetida aos próprios documentos. Mesmo se os Padres Conciliares não planejaram o desastre que se seguiu ao Concílio (e a maioria concorda que não o fizeram), os próprios documentos foram construídos de tal modo a permitir interpretações progressistas ao serem colocados em mãos de teólogos e bispos progressistas. Contra o mantra conservador de “documentos perfeitos – implementação imperfeita”, Kasper sustenta a crítica tradicionalista de que “documentos imperfeitos levam à implementação imperfeita.” Bento XVI tinha apresentado o mesmo argumento. Existe uma relação íntima entre os documentos e sua implementação. Porém, Kasper faz mais do que apenas admitir que “os textos conciliares em si têm um enorme potencial de conflito”; ele chega ao ponto de afirmar que essas ambiguidades, esses conflitos em potencial, foram parte de um programai intencional. Ele não diz simplesmente que os textos suportarão diversas interpretações, mas que essas passagens ambíguas foram “fórmulas de concessões” produzidas para aplacar dois lados opostos, de tal modo que elas podem ser interpretadas de uma maneira ortodoxa, porém, podem ser facilmente distorcidas pelos progressistas para apoiar a sua malícia.
Essas são o que o finado Michael Davis chamou de “bombas-relógio” nos textos conciliares. Davies escreveu, “Essas ‘bombas-relógio’ foram passagens ambíguas inseridas nos documentos oficiais pelos periti ou peritos liberais – passagens que seriam interpretadas em um sentido não tradicional, progressista após o encerramento do Concílio”. (Michael Davies, Liturgical Timebombs, Rockford, Ill: Tan Books, 2004, página 23). Davies tomou emprestado a expressão “bombas-relógio” do livro do Arcebispo Lefebvre, Um bispo fala, que basicamente havia apresentado o mesmo argumento. Na entrevista de Kasper, não temos nada menos do que uma admissão de que não havia apenas bombas-relógio, mas que elas foram colocadas lá intencionalmente, e nesse ponto ele e Lefebvre estão de acordo. Esta é uma admissão impressionante. Kasper fez muitas outras afirmações interessantes que minam outros aspectos da narrativa conservadora do Concílio. Por exemplo:

“Para muitos católicos, os desenvolvimentos colocados em movimento pelo concílio fazem parte da vida diária da Igreja. Porém, o que eles estão experimentando não é o novo grande começo nem a primavera da Igreja, que foram esperados naquela época, mas sim uma Igreja que tem uma aparência invernal e mostra sinais claros de crise.”
Isso contraria o mantra prevalecente da era João Paulo II de que estamos experimentando uma “nova primavera” e uma admissão cândida de que existe efetivamente uma crise, a despeito do fato de que alguns, como, por exemplo, o Cardeal Timothy Dolan, continuem negando essa verdade clara. Esta simples admissão de fato, de que a Igreja está em crise e não está experimentando a prometida primavera pós-conciliar, é de importância considerável para avançarmos. E seja lá o que possamos pensar mais de Kasper, gosto de sua sinceridade neste caso.
Falando da confusão que surgiu depois do Concílio, Kasper disse: “Para aqueles que conhecem a história dos vinte concílios reconhecidos como ecumênicos , este [estado de confusão] não será uma surpresa. Os tempos pós-conciliares foram quase sempre turbulentos. O Vaticano [Segundo], entretanto, é um caso especial.“
Esta admissão importante, que também afirmei em outro lugar, realmente desmascara o chavão de católicos conservadores de que aquilo que estamos experimentando na Igreja moderna é normal, uma vez que há sempre confusão após um Concílio. Isso pode ser verdadeiro, mas Kasper observa que a confusão que se seguiu ao Vaticano II é “um caso especial”, diferente da turbulência dos períodos anteriores. Esse também é um argumento frequentemente apresentado pelos tradicionalistas, que enxergam no Concílio Vaticano Segundo não apenas outro evento eclesial com o nível padrão de confusão após a sua realização, mas sim um novo tipo de evento eclesial que não pode ser facilmente classificado ao lado dos Concílios do passado. O Cardeal Kasper afirma as posições de Michael Davies, Lefebvre e dos tradicionalistas? Esses são tempos estranhos, sem dúvida.

Resistência Católica na Índia.


AVANCE DE LA RESISTENCIA EN LA INDIA
Se unen a nosotros algunos sacerdotes.

Padre François Chazal





Gracias a las técnicas de intimidación aplicadas a los fieles que han sido condenados a ya no tener la Misa, el Padre Valan Rajkumar se vió obligado a tomar el control de todas las misiones que gravitan en torno a la ciudad de Chennai, capital de Tamil Nadu.

Entre los centros de misas de Saidapet (50 personas), Bangalore (50 personas en el norte de la ciudad, para nuestra gran sorpresa), Margao (50 personas también vinieron a la Misa del Buen Pastor) y la ciudad de RN Kandighai (300 personas), el padre Valan se ocupa de un total de 450 fieles a los cuales hay que agregar todos los que están dispersos en este país tan grande. Como ejemplo, Roland Fernandez nos espera en Delhi, y algunas familias apegadas a la posición de Monseñor Lefebvre están presentes en el golfo pérsico. También hay que agregar el resto de Tamil Nadu, donde ahora nos ayuda el PadrePancras, un viejo amigo de Monseñor Williamson. Él vendrá a Chennai cada mes para ocuparse de las vigilias nocturnas del primer viernes del mes, un verdadero maratón espiritual. El Padre Xavier Ignatius también nos ha recibido con los brazos abiertos. El nos pidió ayudarlo a construir una Iglesia para sus 100 fieles de Tuticorin y se impacienta con la FSSPX oficial, porque nada se ha hecho en 30 años de presencia de la Fraternidad para este grupo que es uno de los más grandes de la India. El Padre Selvaraj aceptó ocuparse de nuestro grupo en Coimbatore, al oeste de Tamil Nadu.

Hemos sido bien recibidos en Bombai y Vasai en donde la mayoría de los fieles comprende muy bien lo que sucede actualmente en la Tradición. El hecho de que no pudimos visitarlos durante 11 meses desde la crisis de mayo pasado, no les impidió informarse y prepararse para recibirnos. La recepción en Palayamkottai dejó mucho que desear, aunque esto no fue sorpresivo.

Si agregamos las misiones en el extremo oriente, más de 1000 fieles, 7 sacerdotes y 4 seminaristas potenciales escapan del dominio liberal.

Podemos concluir que en menos de un año, los comienzos de la Resistencia son prometedores en Asia. La coordinación es perfecta, con la organización de visitas exteriores, el apoyo financiero, las publicaciones (proyectamos la impresión de 2000 misales), y el establecimiento de una jerarquía ad hoc, informal por el momento. El comportamiento excesivo y liberal de ciertos sacerdotes locales, la expulsión de Monseñor Williamson y la declaración lamentable del 15 de abril de 2012 (sin retractación en cuanto a su substancia) han permitido que muchos ojos se abran.

In Iesu et Maria

Francois Chazal+

segunda-feira, 15 de abril de 2013

ESSÊNCIA E FINS DO SACRIFÍCIO


 A Igreja e seus mandamentos
por
Monsenhor Henrique Magalhães
Editora Vozes, 1946



ESSÊNCIA E FINS DO SACRIFÍCIO
4 de Julho de 1940

             Continuemos a estudar o Santo Sacrifício da Missa.
            Sua essência consiste na consagração do pão e do vinho. A comunhão do sacerdote que celebra é somente parte integrante do sacrifício.
          Recordemos a última Ceia. Jesus toma o pão, dá graças ao Pai, volve para o céu os olhos e abençoa, dizendo — “isto é o meu Corpo”. Logo depois: “Fazei isto em memória de mim”. Consa­gra, com o mesmo rito, o vinho que está no cáli­ce... — Acrescenta: “Fazei isto em memória de mim”.
            Antes de sofrer a sua dolorosíssima paixão, antes de morrer, Jesus institui o Sacramento que, por um sacrifício incruento, perpetuará a lembran­ça da Redenção. Vê-se tão claramente a idéia do sofrimento e da morte!
            — Corpo que será entregue... sangue sepa­rado do corpo, derramado até à última gota... E Jesus Cristo ordena terminantemente: “fazei isto em memória de mim!” — E o Sacerdote católico, tomando o pão e depois o cálice, pronuncia as mesmas palavras do divino Mestre, reproduzindo o que se passou no Cenáculo de Jerusalém, perpe­tuando a memória da Paixão e morte de Jesus.
            A comunhão, parte integrante do sacrifício, é a consunção da Vítima incruenta.

            Eis a essência da Missa.
            Como já disse, o sacrifício desde os tempos mais remotos, pode ser um holocausto, ou um sa­crifício eucarístico, impetratório ou propiciatório.
           É a Missa verdadeiro holocausto, pois é a mais perfeita homenagem ao supremo domínio do Criador no mundo universo. Recordando as cenas tremendas do Calvário, o sacerdote e os fiéis que, em união de corações, assistem à Missa, curvam-se diante da Justiça Eterna, que não poupou Seu próprio Filho Unigênito! O corpo de Jesus, templo de Deus, é destruído, conforme a sua própria lin­guagem! A Hóstia consagrada, na qual está o Cristo em corpo, sangue, alma e divindade, é des­truída pela Comunhão do celebrante e dos fiéis, — homenagem agradabilíssima à onipotência e ao supremo domínio do Criador dos mundos.
            A Missa é um sacrifício eucarístico, é o sa­crifício das ações de graças, por excelência. Esta é uma preciosa tradição, uma prática enraizada profundamente na alma, na família, na sociedade, em todos os lugares do universo. Para um verda­deiro cristão, a Missa é o modo mais adequado e mais solene de agradecer a Deus um benefício, uma graça recebida.
           A Missa é propiciatória, desagravando a Deus dos pecados dos homens. E, como diz o mesmo Jesus Cristo, Seu sangue é derramado, para remis­são dos pecados. O Concílio Tridentino diz que a Missa é oferecida pelos vivos e defuntos, pelos pe­cados, penas e satisfações e outras necessidades.
           É finalmente um sacrifício impetratório. Oferece-se a Missa pela paz comum das igrejas, pelo reto governo das nações, por aqueles que são trabalhados por enfermidades, pelos que se vêem acabrunhados... em uma palavra, para pedir a Deus, por Jesus Cristo Nosso Senhor, todos os bens espirituais e temporais.
            A Missa é realmente uma inesgotável fonte de bênçãos preciosas!
            Para concluir o capítulo, duas palavras ainda sobre o Ministro do Santo Sacrifício da Missa.
            O Ministro principal do augusto Sacrifício é Jesus Cristo. Assim o declaram o IV Concílio de Latrão e o Tridentino.[1] Das mesmas palavras da forma, como já disse, ressalta a verdade desta afirmação: “Isto é o meu corpo” — diz o cele­brante. Os sacerdotes, e só eles, são os Ministros secundários. Só aos apóstolos e seus sucessores de­terminou Jesus: “Fazei isto em memória de mim”. E São Paulo aos hebreus diz expressamente: “To­do o pontífice, tirado do meio dos homens, é cons­tituído a bem dos homens, no que concerne às re­lações com Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados” (Heb 5, 1; 8, 3). — Esta doutrina é confirmada pelo ensino dos Santos Padres e pela Tradição. 



[1]      Denziger, 430 — Trid. Sess. XXII, cap. II.


terça-feira, 9 de abril de 2013

Fátima está se cumprindo (Pe. Hewko) [1]



NÃO HÁ DÚVIDA que tudo o que vemos no colapso atual do Mundo Ocidental, assim como no Oriental, é a apostasia espiritual anunciada pelo Papa São Pio X e Nossa Senhora de Fátima. O Comunismo e sua irmã gêmea, a maçonaria, espalharam com êxito o ateísmo e o indiferentismo por todo o mundo, um castigo espiritual é muito superior à devastação, o castigo físico que o seguirá inevitavelmente. O lado obscuro das profecias de Nossa Senhora são evidentes para os que têm olhos para ver, mas brilha uma luz vibrante, quase imperceptível em uma de suas misteriosas profecias, que agora está se cumprindo.
Qual é esta profecia? É onde ela anunciou que "Portugal sempre conservará o dogma da Fé". Não há dúvida que é verdade que no país mãe de Portugal, incontáveis almas estão mantendo a fé por sua devoção inamovível à Sua Senhora de Fátima, mas não é menos verdade que há uma antiga colônia, onde o português ainda se fala, e sua Fé e seus costumes permanecem ainda. Este país é o Brasil.

O dogma da Fé é defendido fervorosamente no Brasil por dois mosteiros excepcionais: os os beneditinos da Santa Cruz e a Familia Beatae Mariae Virginis. Com uma dezena de monges cada, Dom Tomás de Aquino, OSB e Dom Jahir FBMV com humildade estão sustentando fortemente os Dogmas Católicos Tradicionais, cuja valente defesa lhes foi passada por Dom Antônio de Castro Mayer.

Ambos os priores no Brasil estão encabeçando a Resistência contra qualquer movimento rumo a um acordo com Roma, o qual a FSSPX oficial continua promovendo em seus documentos e entrevistas. Apesar de uma aparente marcha para trás, a declaração do Capítulo Geral de 2012, com suas seis condições, aprova o acordo prático sem a conversão prévia de Roma. Esta nova orientação continua firmemente em seu lugar. É a nova rebelião e é a traição sutil às condições aprovadas e determinadas pelo seu fundador. Dom Lefebvre deixou claro, em termos sem ambigüidade, que não seriam possíveis futuras discussões até que o Papa esteja de acordo com os ensinamentos infalíveis de seus predecessores (Quanta Cura, Syllabus, Pascendi etc).

Ele não se opunha a um acordo com Roma se sua conversão se manifestasse com a firme adesão a estas grandes Encíclicas. Esta seria a prova da sinceridade de Roma e de sua conversão, porque estas Encíclicas condenam enfaticamente os erros do Concílio Vaticano II. Primeiro o dogma. Cristo, verdadeiro Deus, primeiro. Cristo-Rei primeiro. Conformar-se com menos seria uma traição à Fé Católica. Pôr a doutrina em segundo ou terceiro lugar seria esconder a luz debaixo do alqueire. "Vós trabalhais para descristianizar a sociedade, nós trabalhamos em sua cristianização", disse o guerreiro veterano contra o modernismo numa conversação com o Cardeal Ratzinger. "Vós quereis destronar Cristo-Rei, nós queremos coroá-lo".

Este é o porquê dos campeões da Tradição Católica no Brasil seguirem a linha de Dom Mayer, o qual, por sua vez, resistiu contra o liberalismo e o modernismo da Igreja Conciliar. Dom Tomás de Aquino resistiu ao compromisso do Mosteiro Beneditino de Le Barroux, na França, em 1988, além do colapso de Campos por seu compromisso, em 2003. Esta deveria ser uma lembrança alarmante de quão similares foram suas condições com as 6 condições com as quais a FSSPX obrigou-se a si mesma. Seus compromissos foram a liberdade de pregar contra o modernismo e conservar a liturgia de 1962. Com estas promessas, eles pensaram que poderiam converter Roma à Tradição desde "dentro" e continuar sendo "como eram" sem receber a pressão de aceitar os erros conciliares e as reformas. Mas que ocorreu? A sabedoria de Dom Lefebvre foi ignorada por aqueles que pensaram que podiam ganhar em astúcia do Dragão Vermelho do modernismo e, em uma década, ambos adotaram os documentos do concílio e inclusive a nova missa. Ai daqueles que pensam estar de pé, cuidem para que não caiam! Adverte o Espírito Santo.

Este é o porquê de nossa luta por Cristo-Rei e a Tradição Católica necessita aprender dos velhos veteranos que sobreviveram a batalhas maiores com este astuto dragão. Cuidado com o compromisso em nome da "prudência"! Cuidado com a desunião da Tradição em nome da "unidade"! Cuidado para não desobedecer o Magistério imutável em nome da "obediência ao Superior Geral"!

Os dois velhos Atletas da Tradição Católica ganharam experiência insubstituível durante sua luta contra o dragão do modernismo. Por isso, Dom Lefebvre e Dom Mayer insistiram que era uma ilusão, uma ilusão! tratar de converter Roma pondo a Tradição sob superiores que pensam e atuam contra a fé. O sábio adágio de Dom Lefebvre é mais verdadeiro do que nunca: "São os superiores que formam os subordinados, não os subordinados que formam os superiores. Noutras palavras, não são os filhos que formam aos pais, senão que os pais é que foram os filhos. Não são os atletas e eestudantes que formam os treinadores e professores, mas os treinadores e professores que formam os atletas e estudantes.

Eles também previram que aceitar estar sob a Roma modernista e os bispos locais (ver a primeira "condição desejável"), entre toda esta Cúria Romana, entre os bispos do mundo que são progressistas, "eu teria sido completamente afogado. Não teria podido fazer nada, nem proteger os fiéis, nem os seminaristas." Ademais, disse sem vacilação, "Deus nos protegeu quando o acordo de 05 de maio deu em nada".

Ser "obediente" e "manter a unidade" são coisas boas, mas quando a Fé está claramente em perigo pela busca de um falso acordo com a Roma modernista, então quem está sendo realmente desobediente, quem está realmente causando divisão? Por isso, Dom Lefebvre disse: não podemos ir até a Roma moderista até que ela regresse à Tradição. Para fortificar sua Fé nesta nova fase de engano modernista, leiam o artigo de Arsenius "A Crise Atual" e vejam a entrevista com Dom Jahir em inthissignyoushallconquer.com

Os que estão conservando os Dogmas da Fé na gigantesca colônia portuguesa, estão resistindo à nova onda de astúcia modernista, eles são uma luz para o mundo e um eco concreto do que Dom Lefebvre e Dom Mayer disseram em circunstâncias menos graves. Deve-se resistir e ademais denunciar publicamente seus desvios doutrinais, afim de que as pessoas não continuem enganadas e sigam o falso caminho pelo qual ele está conduzindo a Fraternidade: um espírito de simpatia para com o papa atual, de diminuição da oposição ao Vaticano II; de desejo de unir-se à Igreja conciliar, equiparando-a à Santa Igreja Católica; de diminuição do combate contra os progressistas. (Arsenius)

"Devemos entrar nesta Igreja conciliar para, supostamente, fazê-la católica. Isto é uma completa ILUSÃO. Não são os subordinados que formam os superiores, senão os superiores que formam os subordinados... entre toda esta Cúria Romana, entre os bispos do mundo, que são progressistas, eu teria sido completamente afogado. Não teria podido fazer nada, nem proteger os fiéis, nem os seminaristas. (Dom Lefebvre, entrevista um ano depois das Sagrações de 1988).

...Devemos resistir! Nossa Senhora do Bom Sucesso, manifestai vossa vitória Maternal sobre a heresia e o erro e esmagai a cabeça do dragão infernal.