terça-feira, 25 de março de 2014

XXIII aniversário de morte de Mons. Lefebvre.


“Mas as almas dos justos estão na mão de Deus, e nenhum tormento os tocará”. (Livro da Sabedoria III,1)
Considerada a morte à luz deste mundo, nos espanta e inspira temor; mas, segundo a luz da fé, é desejável e consoladora. Parece terrível aos pecadores; mas aos olhos dos justos se apresenta amável e preciosa. Preciosa, — disse São Bernardo — porque é o termo dos trabalhos, a coroa da vitória, a porta da vida”. E, na verdade, a morte é termo de penas e trabalhos. O homem nascido de mulher vive curto tempo e está sujeito a muitas misérias (Jó 14,1). Eis aí o que é a nossa vida, curta e cheia de misérias, enfermidades, inquietações e sofrimentos.

Deus chama bem-aventurados aos que morrem na sua graça, porque acabam os trabalhos e começam a descansar. “Bem-aventurados os mortos que morrem no Senhor. Desde hoje — disse o Espírito Santo — que descansem de seus trabalhos” (Ap 14,13).

Os tormentos que afligem os pecadores na hora da morte não afligem os Santos. “As almas dos justos estão nas mãos de Deus, e não os atingirá o tormento da morte” (Sb 3,1). Não temem os Santos aquela ordem de sair desta vida, que tanto amedronta aos mundanos, nem se afligem por terem de deixar os bens da terra, porque nunca apegaram a eles o seu coração. “Deus do meu coração — repetiram sempre; Deus meu por toda a eternidade” (Sl 72,26). Sois felizes, — escrevia o Apóstolo a seus discípulos, que tinham sido despojados de seus bens por terem confessado a Cristo. — Suportastes essa perda com alegria, sabendo que vos esperava patrimônio mais excelente e duradouro (Hb 10,34). Não se afligem os Santos por terem de deixar honras mundanas, pois sempre as desprezaram e as tiveram na conta do que são efetivamente: fumo e vaidade, e somente estimaram a honra de amar a Deus e de ser por Ele amados. Não se afligem por terem de deixar seus parentes, porque somente os amaram em Deus, e, ao morrer, os deixam recomendados àquele Pai celestial que os ama mais do que eles; e esperando salvar-se, crêem que melhor lhes poderão ajudar lá no céu do que ficando na terra. Em suma: todos aqueles que disseram sempre durante a vida Meu Deus e meu tudo, repetem-no ainda com maior consolo e ternura no momento da morte.

Quem morre no amor de Deus, não se inquieta com as dores que acompanham a morte, antes se compraz nelas, considerando que a vida vai-se acabar e que já não terá mais a sofrer por Deus nem a testemunhar-lhe novas provas de amor. Assim, com afeto e paz, lhe oferece os últimos restos da sua vida e consola-se, unindo o sacrifício de sua morte ao sacrifício que Jesus Cristo ofereceu por nós na cruz a seu eterno Pai. Desta maneira morre satisfeito, dizendo: “Em seu seio dormirei e descansarei em paz” (Sl 4,8). Que felicidade morrer entregando- se nos braços de Cristo, que nos amou até à morte, e que quis sofrer morte tão cruel para alcançar-nos morte doce e consoladora!

Lê-se, na vida dos Padres, que um deles, de idade avançada, na hora da morte, ria-se enquanto seus companheiros choravam. E como lhe perguntassem o motivo de seu contentamento, respondeu: “E por que é que chorais, sendo que vou descansar de meus trabalhos?”.

Também Santa Catarina de Sena disse ao morrer: “Consolai-vos comigo, porque deixo este vale de lágrimas e vou para a pátria da paz”. Se alguém — disse São Cipriano — habitasse numa casa cujas paredes ameaçassem ruínas, cujo pavimento e teto estremecessem, quanto não desejaria sair dela?... Nesta vida tudo ameaça ruína da alma: o mundo, o inferno, as paixões, os sentidos rebeldes, tudo nos leva ao pecado e à morte eterna. Quem me livrará — ex-clamava o Apóstolo — deste corpo de morte? (Rm 7,24). Que alegria sentirá a alma quando ouvir: “Vem, minha esposa, sai do lugar do pranto, da cova dos leões que te quiseram devorar e fazer perder a graça divina (Ct 4,11). Por isso, São Paulo, desejando morrer, dizia que Jesus Cristo era a sua única vida, e que estimava a morte como o maior tesouro que pudesse ganhar, já que por meio dela alcançaria a vida que jamais tem fim (Fp 2,21).

Com razão disse São Bruno que a nossa morte não se deve chamar morte, senão vida.
Daí vem o chamar-se nascimento a morte dos Santos, porque nesse instante nascem para a bem-aventurança eterna, que não terá fim. “Para o justo — disse Santo Atanásio — não há morte, apenas trânsito, porque, para ele, morrer não é outra coisa que passar para a eternidade feliz. “Ó morte amável! — exclama Santo Agostinho — quem não tem te desejará, pois és fim dos trabalhos, termo das angústias, princípio do descanso!” E com instância pedia: Oxalá morresse, Senhor, para vos poder ver! O pecador teme a morte — diz São Cipriano, — porque da vida temporal passará à morte eterna, mas não aquele que, estando na graça de Deus, há de passar da morte à vida.

Excerto do livro “Preparação para a morte” de Santo Afonso Maria de Ligório.

Fonte: http://missaosagradafamilia.blogspot.com.br/

sexta-feira, 21 de março de 2014

Canção Nova, converta-se!

Incentivados por um catoprotestante que pediu, melhor, exigiu que retirássemos do Pale uma série de publicações "anti-RCC" (que, diga-se de passagem, tem grande audiência entre os leitores), voltamos a postar mais um texto expondo a verdade por trás da máscara de catolicidade desta seita que surgiu da relação espúria entre protestantes e pseudo-católicos (padres inclusos) em um famoso retiro décadas atrás. Desse ecumenismo herético surgiram esses movimentos pentecostais dentro da igreja conciliar. Como somos comprometidos com a Verdade e não temos medo das imprecações dos catoprotestantes e de seus amigos-irmãos protestantes, aqui estamos nós publicando este artigo postado no blog Fidespress.com, no dia 16 de março recém passado. Comentários em azul: nossos. 

======================
 

Canção Nova, converta-se!


 

Muitos católicos ficaram escandalizados com as ações tomadas pela TV Canção Nova para a produção do  EUCRISTUS (Encontro de Cristãos na Busca de Unidade e Santidade).  A emissora convidou personalidades protestantes para falar e transmitir suas palavras AO VIVO, ou seja, sem preocupação alguma do tipo de conteúdo que seria dito aos fiéis. O resultado não poderia ser mais trágico.

O pastor José Carlos disse abertamente que o Espírito Santo inspirou a eles (ele e sua esposa) pra formarem uma só Igreja através do ecumenismo. O que vai frontalmente contra a doutrina católica que ensina com todas as letras que a verdadeira unidade do Cristianismo se dá na adesão ao Catolicismo.  Fechando com chave de ouro, o pastor fez um convite aos presentes «Venham nos fazer uma visita, venham conhecer nossa comunidade» [isto é típico! É uma isca! É um escândalo que esses ímpios da CN promovam esse tipo de coisas e incentivem que Católicos abjurem a Fé verdadeira estimulados por esse tipo de eventos "dentro" do que eles pensa que seja a Igreja Católica. Raça de víboras! Vendilhões do Templo! Sepulcros caiados!]

Outros esforços foram feitos para agradar os protestantes, entre eles a remoção da imagem do Crucificado da cruz (imagem acima) e a remoção do ícone de Nossa Senhora do local. [Isto éblasfêmia e vai abertamente contra o Concílio de Trento que, em relação às imagens, é bem claro que podemos e DEVEMOS tê-las! Como diz o Concílio: anátema sejam a Canção Nova e todos os seus dirigentes!!!]

Entre os absurdos que a Canção Nova permitiu, aconteceu um CULTO PROTESTANTE dentro de suas dependências, no Auditório São Paulo, concomitantemente os católicos estavam assistindo a Santa Missa.

Canção Nova, se é preciso esconder a face católica para que se tenha ecumenismo, então não existe ecumenismo algum. [Eu diria mais: que não existe Cristianismo algum!]
 
Original em: http://fidespress.com/?p=693.

Fonte: PALES