quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Existem milagres fora da Igreja Católica? ...A cereja do bolo! (Rev. Padre Ernesto Javier Cardozo)



Existem milagres fora da Igreja Católica?

...A cereja do bolo!



Em uma de nossas missões, no final da Missa, eu fiz a seguinte pergunta: “Será que Deus pode fazer milagres fora da Igreja Católica?”... E um jovem rapaz, sem muitos estudos, mas aplicando o mais elementar bom senso, respondeu, “Não!”.

Volto a perguntar: “E ... por que não?”...  “Porque a única Igreja verdadeira é a Católica, e se Deus fizesse milagres em outra estaria se contradizendo!”.

Magnífica resposta de homem simples, que ainda raciocina!

Mas não são poucos os que não têm ou não desejam aplicar o bom senso, e desejam encontrar a quinta perna do gato (1), e, não contentes com os argumentos dados dias atrás, precisam de mais argumentações...

Passemos aos princípios...


1º Do Evangelho... “A árvore má não pode dar bons frutos” (2)... Da árvore da ig. Conciliar, da missa nova, do novo catecismo... se pode tirar bons frutos?... Não estão eles bem à vista?

Alguém argumentaria que a “árvore”, a Igreja Católica e a ig. Conciliar são a mesma coisa...

Eles, os modernistas, chamam a si mesmos de “ig. Pós-conciliar ou Conciliar”... Pela confissão das partes, provas são irrelevantes (3)! Eles são uma OUTRA igreja, que encarna a heresia modernista, à qual não se pode aplicar as quatro marcas (4) da Igreja de Cristo... Portanto: a heresia pode dar bons frutos?


2º Também do Evangelho: ninguém pode servir a dois senhores”(5)... Ninguém pode servir à Igreja de Cristo e à ig. Pós-conciliar... O princípio de não contradição é patente no Evangelho!

3º Da sã filosofia: “ninguém obra sem um fim”... . Deus pode ter por fim algo que não conduza à Sua glória?... A que fim conduz um suposto “milagre” em uma missa nova?... Evidentemente, a permanecer nela!

4º Vai contra o princípio de não contradição... O milagre é “a assinatura de Deus”... Ele não pode assinar heresias!!... Onde fica o “sim, sim, não, não” que ensina o próprio Cristo?!!

Mas... alguém pode arguir, lembrando de seu catecismo, que Deus é onipotente!!!

...Portanto: se Deus quisesse, por exemplo, fazer uma imagem de Buda chorar ... não o poderia fazer?

De potência absoluta, sim!... Deus pode fazer chorar uma estátua de Buda, se quiser!... Ou pode fazer com que a seita do evangelho octogonal reformada se torne triangular!, hehe!!... Mas...!!!

Uma criança de catecismo não aprende que Deus é ORDEM?... Que Deus é a ordem Suprema, que faz todas as coisas com peso, número e medida??... Recordemos que Deus é o primeiro a ordenar as coisas, e que o que desordena o plano de Deus é o nosso pecado!

Não é o pecado uma desordem contra a ordem estabelecida por Deus nos Dez Mandamentos, por exemplo?... Não são uma desordem o amar a uma criatura mais do que a Deus, e a impiedade, o servilismo?

Agora, se Deus é ordem, pode Ele mesmo desordenar a própria obra???... EVIDENTEMENTE que não!!

Mas o milagre... não implica uma certa desordem em suas leis?

O milagre implica a suspensão das leis naturais sobre uma pessoa, objeto ou coisas; por exemplo, é um milagre que uma pessoa possa viver sem comida ou água por anos, alimentando-se apenas da Eucaristia. Este fenômeno é chamado de “inédia” (6), e o tiveram muitos santos CATÓLICOS... Deus, como Supremo Legislador, suspende suas próprias leis para mostrar o poder da Santa Eucaristia, além de mostrar a glória de seus santos; mas...suspender Suas leis não implica contradizê-las. Vejamos São Pascoal Bailon: quando levitava diante do Santíssimo Sacramento, as leis da gravidade para ele ficavam suspensas; no entanto, até no milagre, o santo mantinha uma ordem e não ficava de cabeça para baixo ou em posições que causassem escândalo ou ridículo! DEUS em tudo é ORDENADO!

Portanto, Deus não pode fazer milagres fora de SUA Igreja. 


Mas... Santo Tomas, não diz o contrário em II-II - 178-2?

Se lermos bem, Santo Tomas se pergunta se os maus podem fazer milagres, isto é, os pecadores; pelas respostas se vê que trata de gente que está sem a graça, mas não fala de “hereges” ou “infiéis” ou “pagãos”, que NÃO pertencem à Igreja de modo algum, ou o são apenas em potência.

E por que o Santo não se faz a pergunta de que tratamos aqui?

Fácil!!! ... porque é óbvio!! ... porque São Tomas estima que todos os homens têm entendimento... O próprio Cristo não reprovava aos seus: “Assim também vós não entendeis?” (7).

Alguém reclamou 
que esperássemos por um Papa católico que dê uma definição do Magistério infalível sobre o assunto!!!... Não vos parece um exagero perturbar a um Papa para declarar algo que é óbvio ou que, pelo menos, se pode concluir por simples dedução do que é ensinado nos Evangelhos e no Catecismo?

E os monges dominicanos, responderam o quê?... Que era um assunto muito complicado, que não se deve abordá-lo e que não tratarão dele... Caramba!... Líamos, com nossos queridos exercitantes do Retiro Espiritual de Natal, um belo livro de Mons. Tihamér Toth, “Os Dez Mandamentos”, onde, tratando do problema do espiritismo, diz que é um assunto misterioso e ainda não bem esclarecidos, mas que... “nós, os padres católicos, não podemos fugir de nenhum problema religioso ou moral...”. Sem comentários ...

Mas... “Primum vivere deinde philosophari” (8), o que não foi levantado aqui é a seguinte questão: do ponto de vista prático...qual opinião vamos seguir? A primeira, que diz não haver milagres fora da Igreja, ou a segunda, o seu oposto?... É evidente que devemos seguir a mais segura!!... E a opinião mais provável e mais segura é que não existem!!

Mas, concedamos que a segunda opinião seja certa; no dia a dia, é a primeira opinião que devemos seguir, aplicando a mais elementar prudência e bom senso; e este foi o grande ausente neste conflito... Iríamos nos prostrar diante de um milagre modernista?... E se a resposta fosse que sim, pergunto... o que fazemos na Tradição?

Para mim, este assunto está encerrado!... Quem quiser procurar aquadratura do círculo que faça bom proveito!!!... Eu vou ficar com a cereja deste bolo!... Bendito o senso comum!

                       P. Cardozo                       Ipatinga M. G. 30 -dez- 2015.
 


__________________
Notas de tradução:
1. em português corresponde ao provérbio: “achar pelo em ovo”, ou seja, procurar razões ocultas nas coisas que estão claras.
2. Mateus 7,16-18.
3. provérbio espanhol claríssimo!
4. para quem não saiba: UnaSantaCatólica Apostólica.
5. Mateus 6,24.
6. abstinência de todo e qualquer alimento e também o próprio período de abstinência.
7. Marcos 7,18; Mateus 15,16.
8. “primeiro viver, depois filosofar”. 

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Missas em Ipatinga Dezembro-Janeiro/2016 com Rev. Padre Ernesto Cardozo

 

É uma excelente oportunidade de pedir Missas pelas almas do Purgatório ou outras intenções que se queira ou precise. Falem pessoalmente com o padre!  

(*) Houve um atualização no valor da espórtula. Quem desejar saber, use o formulário no menu, ou o campo de comentários, ou escreva para nós.
  
29/12 Terça-feira - 19:30.
30/12 Quarta-feira - 19:30.
31/12 Quinta-feira - 19:30.
01/01 Sexta-feira - 11h.
02/01 Sábado - 19:30.
03/01 Domingo - 11h.
04/01 Segunda-feira - 19:30.
05/01 Terça-feira - 19:30.
06/01 Quarta-feira - 19:30.
07/01 Quinta-feira - 19:30.
08/01 Sexta-feira - 19:30.
09/01 Sábado - 19:30.
10/01 Domingo - 10h. 

Contato (31)99175529. associacaosantoatanasio@gmail.com
Endereço: Rua Gaivota, n. 31 fundos. Bairro Vila Celeste. 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

"Aqueles que se atrevem a levar um tiro por Cristo fiquem onde estão. O resto pode sair já."

cristeros


Os cristeros foram um grupo de heróis católicos que resistiram bravamente ao governo ateu e anticlerical do México nas primeiras décadas do século passado. Eles lutavam em defesa da fé e da Igreja e, quando presos e sentenciados à morte, morriam bradando:

VIVA CRISTO REI!
VIVA A VIRGEM DE GUADALUPE!

As missas, naquele contexto de perseguição brutal, eram celebradas clandestinamente. Quando algum padre chegava ao povoado vestido “à paisana”, a informação corria de casa em casa com toda a discrição.

Certa vez, um povoado rural aguardava o sacerdote que viria no fim de semana. Os catequistas, também clandestinos, já tinham preparado grupos para receber o batismo e outros sacramentos. A celebração aconteceria num velho armazém capaz de abrigar algumas centenas de fiéis. No domingo de manhã, o depósito estava abarrotado com 600 pessoas.

De repente, o inesperado: entram no local dois homens uniformizados e armados.

Um deles levanta a voz e declara:

“Aqueles que se atrevem a levar um tiro por Cristo fiquem onde estão. O resto pode sair já! As portas vão ficar abertas só durante 5 minutos”.

Imediatamente, vários integrantes do coral se levantaram e saíram. Alguns diáconos também foram embora, seguidos pela maior parte dos fiéis. Em menos dos 5 minutos, apenas 20 pessoas dentre os 600 paroquianos tinham permanecido no recinto.

O militar que tinha falado olhou então para o sacerdote e disse:

“Muito bem, padre. Eu também sou cristão e já me desfiz dos hipócritas. Pode continuar a celebração”
____________________

A partir de relato de Gilberto Gomes Barbosa, em “Histórias que Evangelizam

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

OBEDIÊNCIA INTELIGENTE

Encaminho o seguinte texto que no final contém um video antigo de Dom Williamson. O texto vem dos EUA. É livre divulgação e publicação nos blogs para quem quiser faze-lo.

E prestem atenção ao vídeo. Dom Williamson espera de nós uma obediência INTELIGENTE.

Não devemos acreditar pq ele diz algo mas pq este algo é segundo a Fé. E sabemos isso ESTUDANDO A DOUTRINA. Nem ele nem a FSSPX (diz) querem vaquinhas de presépio que dizem amem aos superiores sem questionar!!!! OUÇAM!!!

É preciso ativar a legenda.

A partir do minuto 2:45!!!!




*****

Uma geração má e infiel pede por um sinal… (Mateus 16:4)

1º ponto_ Se Deus fosse usar um milagre eucarístico no Novus Ordo, só poderia ser para converter tal paróquia ou cidade ao Catolicismo, deixando assim, o Conciliarismo. Foi isso o que ocorreu? Pelos frutos se conhece a árvore.

2º ponto_ Se não há sinais de conversão, duas coisas poderiam ser analisadas: a) Ou o milagre veio através de outras forças [malignas], que aliás é o que a Igreja Católica através de seus santos e doutores, sempre disseram ser a maioria dos casos ou b) Deus decidiu, ainda que veladamente, apoiar algo do Novus Ordo.

3º ponto_ Se o que DW quis foi rebater sedevacantistas, atestando que nem tudo é inválido no Novus Ordo, bastaria que ele usasse os ensinamentos de Dom Lefebvre, Dom de Castro Meyer, as "62 razões para não atender a missa nova"; enfim, ensinar aquilo que a Tradição já ensinou: Nem tudo que é válido é lícito.

4º ponto_ Por fim, a Igreja Católica (não a Conciliar é bom frisar) ensina, através do Papa Urbano VIII — e mais tarde confirmado por Clemente IX —  que “NENHUMA” revelação privada (milagre) pode ser publicada sem a aprovação de uma autoridade eclesiástica. Desnecessário dizer que jurisdição extraordinária não engloba poderes para publicar revelações e milagres, haja vista que os mesmos não são necessários para a salvação. Ou seja, se a Providência bloqueou a única via de publicação [Igreja Católica] para tais revelações e milagres, pois ela se encontra tomada pelos ‘piores inimigos da igreja’ (S. Pio X), devemos aceitar, consequentemente, que não vivemos em épocas aptas a tais sinais.   

O maior especialista católico no assunto, São João da Cruz, descreve aqueles responsáveis por espalhar tais sinais:

 [22]“Tudo isso nos mostra claramente a imprudência dos diretores que, compelidos pela curiosidade, se preocupam com as almas favorecidas por visões e revelações. [23] Essa curiosidade é uma deformação do espírito que coloca a alma em ilusão e perigo; removendo-a da humildade através da vã complacência dos meios extraordinários.”  
[A Subida do Monte Castelo - 22 Livro III, cap. 9, 12] *Ver também Livro II, CXVIII.

DW na época em que seus conselhos e ensinamentos estavam de acordo com o verdadeiro ensino Católico:

https://youtu.be/dvc_ylUVqTs?t=2m45s 
Especialmente a partir do minuto 2:45. Ativem a legenda

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

PODE HAVER MILAGRES FORA DA IGREJA CATÓLICA?




Por causa dos 3 últimos Eleyson, desatou-se uma polêmica que pode se concentrar sobre a questão: Pode haver milagres na Igreja pós-conciliar?

É interessante notar que os modernistas são sumamente propensos a negar os milagres das Sagradas Escrituras, dos Santos etc. (Dz 1707 – 1813), mas quando se trata de “milagres” que favorecem as canonizações de seus santos, os “milagres” operados dentro de grupos carismáticos, como curas, dons de verborragia indecifráveis, ou “milagres eucarísticos” ocorridos em missas novas, como o de Lourdes, Florência, Portugal ou Buenos Aires, aquela rejeição ao sobrenatural se esvai, deixando crescer uma suma credibilidade; sobre isto devemos recordar que “...surgirão falsos Cristos, (eucarísticos também?)... e obrarão grandes sinais e prodígios, até enganar (se for possível) até aos escolhidos. Já estais prevenidos (Mat. 24-20ss). Portanto, toda prevenção é pouca neste tempo que vivemos, e dar crédito fácil a aparições e pseudo-milagres é, pelo menos, uma imprudência grave.

1º. Foi levantado se há consagração nas missas novas, a respeito disso sabemos que não se pode sustentar que todas as missas novas sejam inválidas, enquanto se mantenham as condições necessárias: ministro válido, fórmula precisa etc., condições estas cada vez menos frequentes. Mas centremos o assunto no essencial... Pode haver milagres na missa nova? E, mais concretamente, se pode dar crédito ao “milagre eucarístico” de Buenos Aires?

Convenhamos que o verdadeiro milagre provém de Deus, e é um sinal certíssimo de origem divina de nossa religião (cf. Juramento Antimodernista. Dz 2145), ou seja, é dado o milagre aos fiéis para confirmar, provar, fortalecer nossa Fé, portanto, qualquer outro prodígio seja de origem natural, artifício humano ou demoníaco, nos afasta da Verdadeira Igreja de Cristo (Falsas aparições, onde se confirmam erros como o ecumenismo, episódios como o de Simão Mago etc.); e que Deus as permite para nos testar na Fé e no amor a Sua doutrina e à Sua única Igreja.

Sabemos que, desde o CVII, a Igreja de Cristo está sendo parasitada, ocupada por uma nova igreja, autoproclamada pós-conciliar, ou igreja nova; com novas doutrinas como o ecumenismo, a liberdade religiosa, a colegialidade, novos sacramentos como os dados entre os carismáticos, novos catecismos (que ensinam entre outros erros que temos um mesmo Deus com os judeus e os muçulmanos), com o Pai Nosso novo, onde “as ofensas” apagam o sentido do Purgatório, onde a missa nova – confeccionada, entre outros, por 6 pastores protestantes – tem por fim já não mais a Glória de Deus Uno e Trino, mas o ecumenismo. Pois bem, um “eventual milagre”, em uma tal missa, que objetivo tem senão o de dar credibilidade a toda esta nova igreja, a seu concílio nefasto e a seus princípios errôneos?

Vemos os modernistas se esforçarem em canonizar “santos” que em outras épocas teriam sido condenados como hereges; vemos os esforços por fazer passar por santos os Papas do CVII, é uma evidência escandalosa, e agora pretender canonizar a missa nova com este suposto milagre? Não ensina o Divino Mestre que a árvore má não pode dar bons frutos?... Para que retorcer argumentos? Ou por acaso a missa de Bugnini (1) agora se tornou boa? Onde ficaram as 60 razões para não assistir à missa nova?,... por que, se nela há milagres, porque não assisti-la? “Que nosso falar seja sim, sim, não, não, o que passar disto vem do demônio...”. Mt. 5-37.

No dia de hoje, Festa da Imaculada Conceição de Maria Santíssima, os sacerdotes da U.S.M.L. fizeram na França, o que nós já proclamamos nestes meses anteriores nas Missões a nosso cargo, desde o México até a Argentina: a rejeição total e absoluta do CVII; é também em razão disto que não podemos aceitar que esta missa nova possa ser causa ou fonte de supostos milagres.

Para terminar, lembrem-se que esta nova igreja não há as notas de Una, Santa, Católica e Apostólica, .... a nota de Santidade nos marca que os milagres são próprios da Igreja Católica. Não há milagres eucarísticos na Igreja Ortodoxa, nem na Vetero-Católica, menos ainda poderá havê-los na modernista, em razão de que nela senhoreia a heresia modernista, que é a soma de todas as heresias, no dizer de São Pio X; e se alguém encontra algum milagre, é tão falso como o corpo “incorrupto” de João XXIII (cujos médicos testemunharam que havia sido embalsamado), ou os “milagres” do processo de beatificação-canonização do tal Escrivá de Balanguer, que nunca se retratou de “amar apaixonadamente o mundo”, entre outras coisas...!  

A título de conclusão: não pode haver milagres fora da Igreja Católica porque:

A) A árvore ruim não pode dar bons frutos (Mt 7-17); a árvore ruim da nova igreja, da nova missa não pode dar milagres verdadeiros.
B)  Os verdadeiros milagres se dão como uma consequência da nota de Santidade da única Igreja fundada por Cristo, a Católica, fora da qual NÃO há salvação, portanto, qualquer feito prodigioso, preternatural, sucedido fora desta Igreja, deve ser atribuído a forças naturais, artifícios humanos ou enganos do Maligno.
C) Qualquer outra dúvida, recomendo ler a Suma Teológica de Santo Tomás II-II-178, ou consultar os monges dominicanos de Avrillè

Humahuaca, Jujuy (Argentina), na  Festa da Imaculada Conceição de Maria – 08/12/2015

E. Cardozo





(1)       P. Anibal Bugnini, o coautor da Nova Missa por ordem de Paulo VI, disse, referindo-se à missa nova: “trata-se de uma restauração fundamental, eu diria quase uma mudança total e, em certos pontos, de uma nova criação”.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Comunicado dos Padres da USML para o dia 8 de dezembro de 2015

Por ocasião do 50º aniversário da conclusão do Concílio Vaticano II (8 de dezembro de 1965), os Sacerdotes da União Sacerdotal Marcel Lefebvre desejam reafirmar a sua “categórica rejeição”desse funesto concílio e de “todas as reformas dele derivadas”. (Mons. Lefebvre, Declaração de 21 de Novembro de 1974 [vide abaixo].)


Eles fazem plenamente seu o juízo de Mons. Lefebvre, que viu neste concílio “a maior catástrofe de toda a história da Igreja” e o comparou a uma “terceira guerra mundial”. O Vaticano II, “virando as costas para a Tradição e rompendo com a Igreja do passado, é um concílio cismático. (Mons. Lefebvre ao “Le Figaro”, de 4 de agosto de 1976.) “A conclusão se impõe: este evento desastroso para a Igreja Católica e pela Civilização Cristã não foi dirigido e guiado pelo Espírito Santo. (Eu acuso o Conselho, 1976.)

Consequentemente, os Sacerdotes da União Sacerdotal Marcel Lefebvre renovam sua determinação formal de não aceitar qualquer “acordo prático”, nem qualquer “reconhecimento canônico”, sob qualquer forma que se queira, por parte das autoridades conciliares. “É um dever estrito para cada Sacerdote que deseje permanecer católico o de se separar dessa igreja conciliar.”(Mons. Lefebvre, itinerário espiritual, 1990.)

Nesta solenidade da Imaculada Conceição, eles confiam sua fidelidade à Virgem fiel, “imaculada em sua fé” (oração de São Pio X). Que Ela se digne ajudá-los a render testemunho à verdade, a trabalhar incansavelmente para a salvação das almas e a submeter tudo ao “doce reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo”(Mons. Lefebvre, Carta ao Cardeal Seper, 13 de abril, de 1978.) 




USML - Nova Friburgo (RJ), Brasil - março de 2015


 * * *


Declaração de 21 de Novembro de 1974, de Mons. Lefebvre
“Nós aderimos de todo o coração e com toda a nossa alma à Roma católica, guardiã da fé católica e das tradições necessárias à manutenção dessa fé, à Roma eterna, mestra de sabedoria e de verdade. Pelo contrário, negamo-nos e sempre temos nos negado a seguir a Roma de tendência neo-modernista e neo-protestante, que se manifestou claramente no Concílio Vaticano II e, depois do Concílio, em todas as reformas que dele surgiram.”



Visto em: http://cristiadatradicinalista.blogspot.com.br/2015/12/communique-des-pretres-de-lusml-du-8.html

Fonte: http://www.francefidele.org/.  Site oficial da União Sacerdotal Marcel Lefebvre. 
Tradução e revisão: Giulia d'Amore. 

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

50 provas bíblicas de que São Pedro foi o primeiro papa.

Fonte: Site “Mirror of Truth”
Tradução: Carlos Martins Nabeto

A doutrina católica do Papado está baseada na Bíblia e é derivada da evidente primazia de São Pedro entre os Apóstolos de Cristo. Como todas as doutrinas cristãs, esta também experimentou um desenvolvimento através dos séculos, mas não perdeu seus componentes essenciais que já existiam na liderança e prerrogativas de São Pedro. Tudo isto foi dado a ele pelo próprioo Senhor Jesus Cristo, como reconheceram seus contemporâneos e foi aceito pela Igreja primitiva. Os dados bíblicos petrinos são evidentes e convincentes pela virtude de seu peso cumulativo. Tal peso é especialmente claro conforme vemos nos comentários bíblicos; seguem-se, assim, as evidências da Sagrada Escritura:
1. Mt 16,18:  “Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Inferno nunca prevalecerão contra ela”.
A pedra (“petra”, em grego) aqui se refere ao próprio São Pedro e não à sua fé ou a Jesus Cristo. Cristo aparece aqui não como o fundamento, mas como o arquiteto que “edifica”. A Igreja é edificada não sobre confissões, mas sobre confessores – homens vivos (v., p.ex., 1Pd 2,5). Hoje, o consenso comum da grande maioria dos pesquisadores e comentaristas bíblicos favorece esta dedução católica tradicional. Aqui diz-se que São Pedro é a pedra-fundamental da Igreja, tornando-o cabeça e chefe da família de Deus (isto é, a semente da doutrina do papado). Além disso, “pedra” expressa uma metáfora aplicada a ele por Cristo em um sentido análogo ao do Messias sofredor e desprezado (1Pd 2,4-8; cf. Mt 21,42). Sem um fundamento sólido qualquer casa desaba. São Pedro é o fundamento, mas não o fundador da Igreja; é o administrador, mas não o Senhor da Igreja. O Bom Pastor (Jo 10,11) nos dá outros bons pastores (Ef 4,11).

2. Mt 16,19: “Eu te darei as chaves do Reino dos Céus…”
O “poder das chaves” expressa a autoridade administrativa e disciplina eclesiástica com relação às necessidades da fé, como em Is 22,22 (cf. Is 9,6; Jó 12,14; Ap 3,7). É deste poder que surge o uso de censuras, excomunhão, absolvição, disciplina batismal, imposição de penas e poderes legislativos. No Antigo Testamento, o comissário ou primeiro-ministro era aquele homem que estava acima da assembléia (Gn 41,40; 43,19; 44,4; 1Rs 4,6; 16,9; 18,3; 2Rs 10,5; 15,5; 18,18; Is 22,15.20-21).

3. Mt 16,19: “…e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado no céu”.
“Ligar” e “desligar” são termos técnicos usados pelos rabinos e que têm o significado de “permitir” e “proibir” com relação à interpretação da lei e, secundariamente, “condenar”, “desproibir” ou “liberar”. Assim, a São Pedro e aos papas é dada a autoridade para determinar as regras de doutrina e vida, por virtude da revelação e orientado pelo Espírito Santo (Jo 16,13), e para exigir obediência por parte da Igreja. “Ligar” e “desligar” representam os poderes legislativo e judicial do papa e dos bispos (Mt 18,17-18; Jo 20,23). Porém, São Pedro foi o único apóstolo que recebeu nominal e singularmente estes poderes, tornando-o preeminente.

4. O nome de Pedro aparece em primeiro lugar em todas as listas que enumeram os apóstolos (Mt 10,2; Mc 3,16; Lc 6,14; At 1,13). Mateus até o chama de “o primeiro” (Mt 10,2). Já Judas Iscariotes é invariavelmente mencionado por último.
5. Pedro é quase sempre mencionado em primeiro, mesmo quando aparece ao lado de outros.A (única) exceção está em Gl 2,9, onde ele (“Cefas”) é listado após Tiago e João, mas, mesmo assim, o contexto coloca-o em preeminência (ex.: Gl 1,18-19; 2,7-8).
6. Pedro é o único entre os Apóstolos que recebe um novo nome, Pedra, solenemente conferido (Jo 1,42; Mt 16,18).
7. Da mesma forma, Pedro é estimado por Jesus como o Pastor chefe, logo após Ele (Jo 21,15-17), de forma especial pelo nome, e sobre a Igreja universal, apesar dos demais apóstolos terem uma função similar mas subordinada (At 20,28; 1Pd 5,2).
8. Pedro é o único apóstolo mencionado pelo nome quando Jesus Cristo orou para que “a sua fé (=Pedro) não desfalecesse” (Lc 22,32).
9. Pedro é o único apóstolo a ser exortado por Jesus para que “confirmasse os seus irmãos” (Lc 22,32).
10. Pedro foi o primeiro a confessar a divindade de Cristo (Mt 16,16).
11. Apenas de Pedro diz-se que recebeu conhecimento divino através de uma revelação especial (Mt 16,17).
12. Pedro é respeitado pelos judeus (At 4,1-13) como líder e porta-voz dos cristãos.
13. Pedro é respeitado pelas pessoas comuns da mesma maneira (At 2,37-41; 5,15).
14. Jesus Cristo associa-se a Pedro no milagre da obtenção de dinheiro para o pagamento do tributo (Mt 17,24-27).
15. Cristo ensina as multidões de cima do barco de Pedro e o milagre que se segue, apanhando peixes no lago de Genesaré (Lc 5,1-11), podem ser interpretados como um metáfora do papa como “pescador de homens” (cf. Mt 4,19).
16. Pedro foi o primeiro apóstolo a correr e entrar no túmulo vazio de Jesus (Lc 24,12; Jo 20,6).
17. Pedro é reconhecido pelo anjo como o líder e representante dos apóstolos (Mc 16,7).
18. Pedro lidera a pescaria dos apóstolos (Jo 21,2-3.11). O “barco” de Pedro tem sido respeitado pelos católicos como uma figura da Igreja, com Pedro no leme.
19. Apenas Pedro se lança e anda sobre o mar para encontrar Jesus (Jo 21,7).
20. As palavras de Pedro são as primeiras a serem registradas, bem como são as mais importantes, no discurso anterior ao Pentecostes (At 1,15-22).
21. Pedro toma a liderança na escolha do substituto para o lugar de Judas Iscariotes (At 1,22).
22. Pedro é a primeira pessoa a falar (e a única a ser registrada) após ao Pentecostes, tendo sido ele, portanto, o primeiro cristão a “pregar o Evangelho” na Era da Igreja (At 2,14-36).
23. Pedro realiza o primeiro milagre da Era da Igreja, curando um aleijado (At 3,6-12).
24. Pedro lança a primeira excomunhão (anátema sobre Ananias e Safira) enfaticamente confirmada por Deus (At 5,2-11)!
25. Até a sombra de Pedro realiza milagres (At 5,15).
26. Pedro é a primeira pessoa após Cristo a ressuscitar um morto (At 9,40).
27. Cornélio é orientado por um anjo a procurar Pedro para ser instruído no cristianismo (At 10,1-6).
28. Pedro é o primeiro a receber os gentios após receber uma revelação de Deus (At 10,9-48).
29. Pedro instrui os outros apóstolos sobre a catolicidade (universalidade) da Igreja (At 11,5-17).
30. Pedro é o objeto da primeira mediação divina na Era da Igreja (um anjo o liberta da prisão – At 12,1-17).
31. Toda a Igreja (fortemente indicado) oferece “fervorosa oração” para Pedro enquanto se encontra preso (At 12,5).
32. Pedro preside e abre o primeiro Concílio da Cristandade, e estabelece princípios que serão posteriormente aceitos (At 15,7-11).
33. Paulo distingüe as aparições do Senhor (após sua ressurreição) a Pedro daquelas que se manifestaram aos demais apóstolos (1Cor 15,4-8). Os dois discípulos no caminho de Emaús fazem a mesma distinção (Lc 24,34), nesse momento mencionando apenas Pedro (“Simão”) , ainda tendo eles mesmos visto a Jesus ressuscitado momentos antes (Lc 24,31-32).
34. Muitas vezes Pedro é distinto dos demais apóstolos (Mc 1,36; Lc 9,28.32; At. 2,37; 5,29; 1Cor 9,5).
35. Pedro é sempre o porta-voz dos demais apóstolos, especialmente durante os momentos decisivos (Mc 8,29; Mt 18,21; Lc 9,5; 12,41; Jo 6,67ss).
36. O nome de Pedro é sempre listado em primeiro no “círculo íntimo” dos discípulos (Pedro, Tiago e João – Mt 17,1; 26,37.40; Mc 5,37; 14,37).
37. Pedro é muitas vezes a figura central em relação a Jesus, nas cenas dramáticas tal como o fato de andar sobre a água (Mt 14,28-32; Lc 5,1ss; Mc 10,28; Mt 17,24ss).
38. Pedro é o primeiro a reconhecer e refutar a heresia de Simão Mago (At 8,14-24).
39. O nome de Pedro é mencionado muito mais vezes do que os nomes dos demais discípulos em conjunto: 191 vezes (162 como Pedro ou Simão Pedro; 23 como Simão; e 6 como Cefas). Em freqüência, João aparece em segundo lugar com apenas 48 menções, sendo que Pedro está presente em 50% das vezes em que encontramos o nome de João na Bíblia! […] Todos os demais discípulos em conjunto são mencionados 130 vezes. […]
40. A proclamação de Pedro no dia de Pentecostes (At 2,14-41) contém uma interpretação autoritária da Escritura, além de uma decisão doutrinária e um decreto disciplinar a respeito dos membros da “Casa de Israel” (At 2,36) – um exemplo de “ligar e desligar”.
41. Pedro teve o verdadeiro dom de línguas, tendo julgado com autoridade e reconhecendo o dom como genuíno (At 2,14-21).
42. Pedro foi o primeiro a pregar o arrependimento cristão e o batismo (At 2,38).
43. Pedro (presumivelmente) tomou a liderança no primeiro batismo em massa (At 2,41).
44. Pedro comandou o batismo dos primeiros cristãos gentios (At 10,44-48).
45. Pedro foi o primeiro missionário itinerante e foi o primeiro a exercitar o que chamamos hoje de “visita às igrejas” (At 9,32-38.43). Paulo pregou em Damasco imediatamente após sua conversão (At 9,20), mas não foi para esse lugar com tal objetivo (Deus alterou seus planos). Sua jornada missionária inicia-se em At 13,2.
46. Paulo foi para Jerusalém especificamente para ver Pedro durante 15 dias, no início de seu ministério (Gl 1,18); e foi encarregado por Pedro, Tiago e João (Gl 2,9) a pregar para os gentios.
47. Pedro age (fortemente indicado) como o bispo/pastor chefe da Igreja (1Pd 5,1), exortando todos os outros bispos ou “anciãos”.
48. Pedro interpreta profecia (v. 2Pd 1,16-21).
49. Pedro corrige aqueles que distorcem os escritos de Paulo (2Pd 3,15-16).
50. Pedro escreve sua primeira epístola a partir de Roma, conforme atesta a maioria dos estudiosos, como bispo dessa cidade e como bispo universal (ou papa) da Igreja primitiva. “Babilônia” (1Pd 5,13) é codinome para Roma.

Conclusão: seria impossível acreditar que Deus daria a São Pedro tamanha preeminência na Bíblia se isso não fosse significativo e importante para a história posterior da Igreja, em especial, para o governo da Igreja. O papado é a realização mais completa e plausível a esse respeito. E disso nós temos a certeza…