segunda-feira, 11 de abril de 2016

A ingratidão de um pequeno homem


-Eugênio Mendes

Esta nas sagradas letras: "Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita." (São Mateus 6,3) e também está escrito :"Não julgueis pela aparência, mas julgai conforme a reta justiça." (São João 7,24).

Começo este artigo porque sempre o que escrevo neste blog, entre outros objetivos, faço para pontuar o que diz São João. Mais adiante justificarei o evangelho de São Mateus. E digo antes que comece o "mimimi" que o faço por livre e espontânea vontade, sem nenhum pedido ou interferência do padre, que pelo contrário, até não faz muito questão dessas coisas. Não sei se sou inteiramente justo, pois tal virtude em sua plenitude só Deus, mas tento fazer conforme alcanço a percepção dos fatos.
Bom, recebi a 2 ou 3 dias atrás o seguinte post do blog Reconquista anunciando a "turnê pastoral de Dom Tomas de Aquino pelo estado de Minas Gerais". Mas diante do fato relatado, quero com este artigo contar algumas coisas acontecidas ao longo dos 4 anos que faço parte do apostolado de Padre Cardozo.

Lá pelo idos de 2011/2012, recebemos a notícia de um sacerdote muito bom (e hoje sabemos que é mesmo) que fazia visitas a fiéis, celebrava missas no rito de sempre, tinha boa doutrina. Resolvemos através de nosso confrade Rafael Horta convidá-lo para vir até a cidade de Betim. Ali começava uma história.

Penso eu que Padre Cardozo já visitava João Monlevade, passou a visitar Ipatinga, Pouso Alegre, Guaranésia, e hoje o apostolado do padre só não atinge mais cidades porque ele é um só. Ao todo são 3 cidades na Argentina, 6 do México, 1 no Paraguay, 1 nos EUA, e 10 missões no Brasil. Algumas visitadas com mais frequência, outras com menos frequência. Quem dera pudéssemos ter um Padre Cardozo em cada cidade. Quem dera.

Lembro, que certa vez alguém, que não vem ao caso, disse-nos que Padre Cardozo "populou" o Mosteiro de Santa Cruz. Poucos visitavam. Eu mesmo passei a frequentar o Mosteiro graças ao apostolado de Padre Cardozo. Alguns fiéis transferiram sua moradia para a região do Mosteiro graças ao apostolado do Padre. Eu mesmo cheguei a alterar os planos de minha vida para ir até Nova Friburgo. Outro disse assim: "Talvez a sagração de Dom Tomás estará mais vazia este ano. Foi Minas Gerais que encheu o Mosteiro na Sagração de Msr Faure." Seminaristas? Algumas indicações. Alguns acharam melhor parar pelo caminho, outros avançam no caminho do sacerdócio. Não importa muito, fiéis que despertaram sua possível vocação como fruto do apostolado de Padre Cardozo. Ajuda financeira? Muita. Digo que, como "pessoa física", talvez foi um dos maiores mantenedores do Mosteiro. Talvez.. Deus sabe. Sou prova disso. Estava com Padre Cardozo uma vez no carro e ele então recebe uma ligação. Um pedido de ajuda financeira, e não era pouco. Não era muito sabendo das despesas que uma escola infantil pode dar, mas não era pouco para uma pessoa só. Padre Cardozo respondeu assim: "Já enviei este dinheiro ontem". Aqui recorro então ao que diz o evangelho de São Mateus. A mão esquerda não precisa saber o que a direita faz. Padre Cardozo não contou isso a ninguém, mas eu estou contando. Chegou a oferecer o custeio de um professor de francês para os seminaristas do Mosteiro. Enfim, vários bons frutos. E em tempos que se discute e se deturpa o Evangelho de Nosso Senhor, é perfeitamente possível reconhecer a árvore pelos frutos. Boa árvore, e como explicitou Dom Tomás, se é a vontade perversa que dá maus frutos, é a sã vontade que dá os bons. Árvore boa então reconhecida.

E por que digo isso tudo? Dom Tomás sai agora como que pra tapar os buracos, a socorrer os fiéis que "escaparam" das garras de Padre Cardozo. Os desistentes. Estes mesmos que Dom Williamson diz agora que estão cansados, desistindo do combate. Ocupantes do buraco gerado pela imprudência do próprio Dom Williamson, vítimas do caos já anunciado. O porque disso tudo? Deus sabe, e estabelecerá o juízo mais severo quanto maior o grau do imprudente. Em tempos de crise precisávamos de bispos a altura. Deus nos deu um só, ou melhor dois: Dom Marcel Lefebvre e Dom Antonio de Castro Mayer. Os que ficaram mudaram o "script". Os dois bispos agiram conforme o combate exigia. Dom Lefebvre chegou a assinar documentos do CVII. Dom Castro Mayer chegou a recomendar a comunhão na missa nova. Viram o seu erro. "Eu fui longe demais", penitenciou-se Dom Lefebvre, ao negociar o acordo com Roma. Disse aos seus padres e seminaristas que era obrigação de todo padre manter-se longe da igreja conciliar para não perder a fé. Mas enfim, evoluíram no combate. Evoluíram. Não regrediram. Dá-se que agora escutamos que podemos ir a missa nova para "nutrir a fé". Tá bom... Eu demorei a escapar da missa protestantizada. Não Dom Williamson. Do liberalismo de decidir por mim mesmo onde posso nutrir minha fé não quero provar mais. Prefiro a escassês de missas. Contamos nos dedos a quantas vamos no ano. Prefiro assim. Poucas, mas seguras.

Enfim, qual a recompensa que Padre Cardozo recebeu pelos bons frutos? Um tiro pelas costas ao saber que suas missas não eram mais recomendadas. Um tiro porque Dom Tomás não concordou que fosse retirado o quadro da parede na capela de Ipatinga. Com o perdão da palavra: Dane-se o quadro. Padre Cardozo não estava mais com os bispos. Claro que não estava. Talvez tenha até demorado para reagir. Mas o fato é que reagiu. Graças a Deus reagiu. Ah, e se o problema é o quadro, coloquemos o de Fellay de volta nas paredes nas capelas. Afinal de contas, um bispo é um bispo.

Em tempo, tudo isso que Padre Cardozo fez tem sim algo de gratidão por aquilo que Dom Tomas também fez ao receber o Padre no Mosteiro, por algum tempo. Padre Cardozo retribuiu, por reconhecer a ajuda. Mas, enfim Dom Tomás, as missões de Padre Cardozo seguem seu apostolado. Vossa Excelência segue tampando os buracos provocados por Dom Williamson. E se o blog, através do nome, sugere alguma reconquista, tiro n'água. Reconquista-se aquilo que foi conquistado e depois perdeu-se. E quem conquistou este rebanho todo foi Padre Cardozo. Podem até retirar este rebanho. Sabe-se lá quanto uma Mitra pode encantar. Não retirarão os méritos.


NULLAM PARTEM HABEMUS


“Nós jamais quisemos pertencer a esse sistema que chama a si mesmo de Igreja Conciliar e que se identifica com o Novus Ordo Missae, com o ecumenismo indiferentista e com a laicização da sociedade. Sim, nós não temos nada a ver, nullam partem habemus, com o panteão de religiões de Assis. Nós não podemos pedir nada melhor do que ser declarados excomungados…”.

Ser excomungado por um decreto de Vossa Eminência... não seria mais que a prova irrefutável de que não o somos. Não pedimos nada melhor que ser declarados ex-communione... excluídos da comunhão ímpia com os infiéis.

“Os fiéis tem todo o direito de saber que os sacerdotes aos quais se dirigem não estão em comunhão com uma igreja falsificada, evolutiva, pentecostal e sincretista”.

(Carta aberta ao Cardeal Gantin, 6 de Julho de 1988 assinada por 24 sacerdotes da FSSPX)

domingo, 10 de abril de 2016

A patifaria ou: O alto custo de uma defesa.


Certos defensores de Dom Williamson estão desesperados. De início, tentaram, a todo custo,  esconder a relação dos “Comentários Eleisons” sobre a nova Missa e o seus milagres com a com a infame conferência do bispo em agosto de 2015 nos Estados Unidos. A razão foi que, sem levar em conta a referida conferência, podia-se  ficar mais  a vontade para tratar do tema sob um ponto vista mais genérico, como uma questão teológica disputada, ignorando fatos – estes sim muito mais teimosos que os supostos “milagritos” – que impunham muito mais precaução na tentativa de blindar  o bispo.
O fato é que a difusão da conferência desarmou a bolha de sabão em que se sustentava toda a suposta disputa teológica. Uns parecerem terem recuado; outros, ao invés, não se cansam na árdua tarefa de defender o indefensável.  E a malícia de tal labor em persistir no atestar contra a verdade conduz inevitavelmente a patifaria intelectual.
Recentemente, o blog. brasildogmadafe publicou um a transcrição de uma conferência de Monsenhor Lefebvre aonde ele fala da prudência pastoral com que os sacerdotes da Tradição devem ter com os diversos casos em que estes se encontram diante de almas que, muitas vezes movidas por devoção a Santa Missa, permanecem assistindo ao novo rito da Missa de Paulo VI.
Resumindo, Monsenhor Lefebvre indica que não podemos condenar essas almas, pois ainda que a participação num rito blasfemo como esse da Missa do Novus Ordo seja um pecado, há de se considerar, primeiro, o grau de conhecimento que uma boa alma possa ter sobre o tema.  Aqui o trecho que consideramos mais importante:
“Es necesario a veces ir prudentemente para abrirles los ojos, para decirles lo que deben hacer y no siempre ser brutal en la manera de actuar respecto a las almas, las almas son objetos delicados que no podemos maltratar. Nos arriesgamos a hacerle más daño a un alma maltratándola que haciéndole comprender las cosas dulcemente, diciéndole inmediatamente : usted comete un pecado mortal, usted irá al infierno, etc., en lugar de hacerla comprender, explicarle, abrirle los ojos sobre la falta que cometen.”
Ora, como podem os seguidores do bispo usar da fala de Monsenhor Lefebvre para defende-lo? Será se já não sabem ler? Porque se sabem teriam visto que  Monsenhor Lefebvre diz ser necessário abrir os olhos dos fiéis, explicar-lhes, fazer compreender, etc. Mas como isso se aplica ao caso da referida conferência de Dom Williamson? Simples, o que diz Monsenhor Lefebvre condena Dom Williamson.
E por que?  Porque Dom Williamson na sua infame conferência não tentou abrir os olhos da senhora que lhe pediu opinião, mas facilitou que ela continuasse de olhos fechados; Dom Williamson não tentou  “fazer entender”, à senhora,  do sacrilégio que se passa na Missa do Novus Ordo, mas lhe confirmou na ignorância; Dom Williamson sequer tentou explicar a essa senhora que a Missa Tridentina que ela tinha semanalmente, em tempos de caos especialmente, eram mais do que suficientes para que ela pudesse manter em dia a sua vida espiritual.
Ao invés, o que fez o bispo? Ele prepara a sua audiência dizendo que irá esticar o seu pescoço bem alto, e quem quisesse  decepa-lo ficasse a vontade. Também diz que “o que eu irei falar é quase uma heresia no meio tradicional”. Ou seja, o bispo sabia de antemão que suas idéias iriam gerar o caos, aquele mesmo em que  o bispo diz se distrair.  Mas vamos ao pontos:

1- Foi nessa mesma conferência que bispo justifica a participação na nova Missa porque ela seria válida, razão essa já refutada não somente por Monsenhor Lefebvre mais pelo próprio Dom Williamson.
2-  O bispo diz que a “regra de ouro” é:  “faça o necessário para alimentar a sua fé”, se você achar necessário ir a nova Missa, vá.
3-  Depois afirma: a nova Missa pode ser usada “em ordem à construir a fé”.
4- Atesta supostos milagres na nova Missa para justificar sua nova tese sobre questão, já há muito tempo estabelecida no meio da Tradição.
Ora, o que esse espetáculo perturbador criado pelo bispo tem haver com a prudência pastoral levantada por Monsenhor Lefebvre?  Digam-nos aonde isso se aplica na defesa de Dom Williamson? Não, eles não irão dizer. O caso que esses querem construir para enganar aos incautos é dizer que os críticos de Dom Williamson não passam de radicais cruéis que queriam a cabeça da senhora no momento em que ela pediu ajuda ao bispo para um problema de consciência. São uns patifes. Ninguém jamais condenou o bispo por não ter condenado a senhora, mas sim por te-la negado a Verdade e confirmado-a no erro.


"Donde um que ensine uma falsa doutrina não pode fazer milagres" (Santo Tomás de Aquino)


Ninguém faz verdadeiros milagres contra a fé, já que Deus não é testemunha de falsidades

Julgo muito interessante o texto a seguir a fim de esclarecer sobre os falsos milagres. É o comentário de ninguém menos que Santo Tomás de Aquino sobre a Segunda Epístola de São Paulo aos Tessalonicences, mais especificamente sobre o Anticristo. O texto completo pode ser lido no blog Doctoris Angelici. Abaixo, transcrevo a parte que mais interessa no momento para que não nos deixemos enganar pelos falsos milagres da "igreja" conciliar

E [o Anticristo] enganará desta maneira: primeiro valendo-se do poder secular; segundo, da força dos milagres. Quanto ao primeiro diz: “com toda sorte de milagres”, a saber, do mundo. “Se fará dono dos tesouros de ouro e de prata e de todas as preciosidades de Egito” (Dan. 11,43). Ou com virtude fingida. Quanto ao segundo diz: “de sinais”. Os sinais são uma espécie de “milagretes”.* Os prodígios, entretanto são grandes, que demonstram que uma pessoa é um ser prodigioso, como quem diz à distância: distante, em dígitos: do dedo (Ap 13). E diz: “falsos prodígios”. Chama-se falso um milagre, ou porque lhe falta a verdadeira razão do fato, ou a verdadeira razão do milagre, ou o devido fim do milagre. O primeiro é o que fazem os ilusionistas, melhor dito, o que se faz por arte de magia e bruxaria, quando o diabo se encarrega de dar “gato por lebre” para que pareça outra coisa do que é; como fez Simão Mago com um carneiro que mandou degolar, que logo se deixou ver vivo; ou com um homem, que todos criam degolado e, por haver-lhe visto logo vivo, creram-lhe ressuscitado. E isto fazem os homens fazendo fantasmas na imaginação para enganar.

A segunda espécie de milagres, impropriamente chamados assim, são os que despertam grande admiração, por ver-se o efeito, sem conhecer-se sua causa. Assim pois “os milagres”, que tem não simplesmente sua causa oculta, senão para algum oculta, dizem-se não simplesmente milagres, senão maravilhas. Mas os que tem simplesmente sua causa oculta são propriamente milagres, cujo autor é o mesmo glorioso Deus, porque estão acima de toda a ordem da natureza criada. Mas algumas vezes se fazem algumas maravilhas, cujas causas estão ocultas, mas não fora da ordem da natureza; e isto com mais razão o fazem os demônios, que conhecem as virtudes da natureza e tem determinada eficácia para especiais efeitos; e estas fará o Anticristo, mas não as que tem verdadeira razão de milagre, porque não tem poder naquilo que está sobre a natureza.

Dizem-se milagres em terceiro lugar os que estão ordenados a servir de testemunho à verdade da fé, ou a subtrair os fiéis a Deus, como se diz em São Marcos. Mas se algum tivesse a graça de fazer milagres, e não se valesse deles para este fim, os milagres seriam verdadeiros quanto à razão do fato e à razão do milagre; mas seriam falsos quanto ao devido fim e à intenção divina.

Mas isto não sucederá com o Anticristo, porque ninguém faz verdadeiros milagres contra a fé, já que Deus não é testemunha de falsidades. Donde um que ensine uma falsa doutrina não pode fazer milagres, embora um homem de má vida bem o poderia.

Logo sinala aos que se deixaram enganar, ao dizer: “àqueles que se perderam”, isto é, aos destinados à perdição. “Nenhum deles tem perecido senão o filho da perdição”. E isto precisamente porque “minhas ovelhas ouvem minha voz” (Jo 10).

As palavras são tão claras, e com o peso da autoridade do Doutor Angélico, que não temos mais nada a acrescentar.


"Não me digas que não queres combater..." - Donoso Cortés


“Não me digas que não queres combater; porque no instante mesmo em que mo dizes, estás combatendo; nem que ignoras para que lado te inclinares, porque no momento mesmo em que isso dizes, já te inclinaste para um lado; nem me afirmes que queres ser neutro, porque quando pensas sê-lo, já não o és; nem me assegures que permanecerás indiferente, porque te desprezarei, dado que, ao pronunciares essa palavra, já tomaste teu partido.     

“Não te canses em buscar asilo seguro contra os açoites da guerra, porque te cansas em vão; essa guerra se expande tanto como o espaço, e se prolonga tanto como o tempo. Só na eternidade, pátria dos justos, podes encontrar descanso; porque só ali não há combate; não presumas, contudo, que se abram para ti as portas da eternidade se não mostras antes as cicatrizes que levas; aquelas portas não se abrem senão para os que combateram aqui os combates do Senhor gloriosamente, e para os que vão, como o Senhor, crucificados.”

(Juan Donoso Cortés, Ensayo sobre el Catolicismo, Liberalismo y Socialismo)

sábado, 9 de abril de 2016

"Poema do Homem-Deus", de Maria Valtorta.......... (E de Dom Williamson!)


Reproduzimos aqui algumas passagens do Livro de Maria Valtorta, tirem suas próprias conclusões se devemos ler este livro todas as noites para nossas crianças, como recomenda Dom Williamson. Para ver mais do original, clique aqui.



Poema do Homem-Deus (Maria Valtorta)     

Resenha do livro "Poema do Homem-Deus" de Maria Valtorta, 10 volumes, edição on-line. 

Recentemente um amigo me enviou um e-mail perguntando sobre Maria Valtorta e seu Poema do Homem-Deus. Ela recebeu uma edição recente doComentário Eleison do Bispo Richard Williamson intitulado "Home Reading" - "Leitura Domiciliar" (20 de outubro de 2012). Nesse Eleison, o bispo recomenda os pais lerem  selecionados capítulos do Poema do Homem-Deus para as crianças todas as noites.

Ele admite que o poema é controverso e que possui muitos inimigos, mas ele defende o enorme livro de Valtorta (4.000 páginas em 10 volumes de supostas visões que ela recebeu da vida de Cristo). O Bispo apoia-o apesar das objeções que ele lista: que contém vários erros doutrinais, que humaniza Nosso Senhor Jesus Cristo, e que o trabalho foi colocado na lista de livros proibidos da Igreja na década de 1950.    

Ele rejeita levemente todos os argumentos contra o livro e conclui que as crianças vão aprender muito sobre Nosso Senhor e Nossa Senhora no poema, que ele irá "fortalecer a sua casa." (...)

Um Cristo humanizado     

Creio que minha amiga deva seguir o bom senso Católico dela. O próprio título, Homem-Deus, expressa o espírito da obra. É Jesus como um homem que Valtorta apresenta: um bebê amamentando avidamente os seios de sua mãe, um jovenzinho que parece nem ter consciência de Quem Ele seja, um Homem que ri e brinca com os seus Apóstolos, beijando-os na boca constantemente e abraçando-os bem apertados. Parece ser difícil não suspeitar que esse "aparecido" Jesus, retratado de forma tal, tenha tendências homossexuais.(...)

Jesus de Valtorta

O Poema do Homem-Deus, eu creio, está repleto de banalidades, vulgaridades, blasfêmias e até mesmo erros doutrinários. Há conversas ociosas intermináveis ​​entre Nosso Senhor, Nossa Senhora e os Apóstolos, tudo em um nível natural. Eu acho que a melhor maneira de confirmar estes pontos é simplesmente citar alguns textos, que são tão repugnantes que eles falam por si.     

As citações que se seguem são retiradas de uma edição on-line do poema do Homem-Deus. Uma crítica de 48 páginas escrito na década de 1980 (...).       


Uma criança concebida com o pecado original    

Valtorta retrata o Menino Jesus como uma criança gulosa de Mãe sentimental. É difícil encontrar o respeito que devemos a Nosso Senhor Jesus Cristo nesta imaginária e imodesta descrição de uma cena de amamentação:       

Jesus e Maria

O Poema do Homem-Deus apresenta uma visão naturalista de Nossa Senhora e o Menino Jesus:   

"Jesus abre os olhos, vê sua mãe, sorri e estende as mãozinhas para seu peito." 

"[Maria] 'Sim, amor da mamãe. Sim. O seu leite. Antes da hora habitual. Mas você está sempre pronto para mamar no peito da Sua Mamãe, meu pequeno Cordeiro santo!        '

"Jesus ri e joga, chutando seus pés para fora dos cobertores, movendo os braços alegremente em um estilo típico infantil, tão bonito de ver. Ele empurra seus pés contra o estômago de sua mãe. Ele arqueia as costas inclinando a cabeça justo ao peito, e depois atira-se para trás e ri, segurando com as mãos os laços que amarram o vestido de Maria no pescoço, tentando abri-lo...


"Maria amamenta Ele e Jesus avidamente chupa o bom leitede sua mãe, e quando Ele sente que apenas um pouco de leite sai do seu seio direito, Ele olha para a esquerda, rindo ao fazer isso e olhando para a  sua mãe. Então Ele adormece novamente em seu peito, Sua redonda e rosada bochecha descansando no branco e redondo peito Dela." 
(Vol 1, n. 35, p. 106).
        

Um adulto com tendências homossexuais    

O Jesus de Valtorta apresenta suspeitas tendências homossexuais, pois ele está constantemente beijando e abraçando os Apóstolos. Quando Jesus diz á Tiago sobre Sua Paixão estar se aproximando, Tiago reage com grande emoção. Jesus conforta-o assim:       

" 'Venha, eu vou te beijar então, vou ajudá-lo a esquecer o fardo do meu destino como Homem. Aqui, eu beijo seus lábios, que terão de repetir as minhas palavras para o povo de Israel e o seu coração que terá de amar como eu te disse, e ali, em seu templo, onde a vida irá cessar. '... Eles permanecem abraçados por um longo tempo e Tiago parece cochilar na alegria dos beijos de Deus que o fazem esquecer seu sofrimento".

Quando Valtorta descreve João, o Apóstolo "favorito", como tendo um rosto de uma jovem mulher com o "olhar de uma amante," dificilmente podemos evitar a impressão de que eles têm uma relação homossexual. Aqui Jesus está beijando João para despertá-lo:

"Jesus se inclina e beija a bochecha de João, que abre os olhos e fica pasmo ao ver Jesus. Ele se senta e diz: "Você precisa de mim? Aqui estou.' …

"João, semi-nu em sua sub-túnica, pois ele usou a sua túnica como manto, como colchas, abraça o 'pescoço de Jesus e coloca a cabeça entre Seu ombro e a bochecha."


Depois João professa sua crença e amor em Jesus como Filho de Deus, "ele sorri e chora, ofegante, inflamado pelo seu amor, relaxando no peito de Jesus, como se ele estivesse esgotado pelo seu ardor. E Jesus o acaricia, ardendo de amor Ele também. "

João implora Jesus para não contar aos outros [Apóstolos] sobre o que se passou entre eles. Jesus responde: "Não se preocupe, João. Ninguém vai estar ciente de seu casamento com o Amor. Se vestir, venha. Temos de sair. "(Vol. 2, n. 165, pp. 57-58)


Jesus sugere um caso de amor entre São Pedro e Nossa Senhora   

O próprio Jesus brinca com impropriamente com seus apóstolos. Aqui, Jesus se levanta e grita em voz alta e com raiva a Pedro:      

" 'Vem cá, seu usurpador e corruptor!' 
"'Eu? Por quê? Que fiz eu, Senhor?       
" 'Você corrompeu minha mãe. É por isso que você queria ficar sozinho [com ela]. O que vou fazer com você?"    
(...)
"Jesus sorri e Pedro recupera sua confiança.   
"Você realmente me assustou! Agora você está rindo. "(Vol. II, n. 199, p. 185)      


Como Lutero, Maria pensa: Vamos pecar para ser perdoado   

Algumas passagens são equivalentes a heresia. Por exemplo, Valtorta apresenta a criança Maria como se expressando desejar ser uma grande pecadora, a fim de merecer a graça da Redenção:

"[Maria]: 'Diga-me, mamãe, pode-se ser um pecador por amor de Deus? 
"[Ana]: 'O que você está dizendo, minha querida? Eu não entendo você.
"[Maria]: 'Eu quero dizer: cometer um pecado, a fim de ser amado por Deus, que se torna o Salvador. Quem está perdido, está salvo. Não é mesmo? Eu gostaria de ser salva pelo Salvador para receber o olhar amoroso ". (Vol. 1, n. 7, p. 23).       

Uma Eva sensual tendendo a bestialidade    

O trabalho também não é desprovido erros doutrinais, Ex. quando Valtorta afirma que o pecado de Eva não foi de desobediência, mas de um ato sexual. Há, também, uma insinuação de tendência para a bestialidade de Eva. Esta descrição erótica foi supostamente feita por Jesus:      

"Com sua língua venenosa Satanás mandou a lábia e acariciou os membros de Eva ... Sua carne ficou excitada ... A sensação é de prazer para ela. E 'ela entendeu'. "Agora a Malícia estava dentro dela e foi roendo seus intestinos. Ela viu com outros olhos e ouviu com novos ouvidos os hábitos e as vozes dos animais. E ela ansiava por eles com uma cobiça insana. "Ela começou a pecar consigo mesma. Ela conseguiu isso com seu companheiro. "(Vol. 1, n. 17, p. 49)   

Estes são alguns trechos que eu ofereço aos meus leitores para avaliar a obra de Valtorta. Eu acredito que eles são suficientes para o leitor a fazer um julgamento como um todo.   

É, portanto, compreensível que o Santo Ofício tenha colocado o trabalho no Index de Livros Proibídos, que é reproduzida abaixo. É compreensível, também,  que o Salesiano Irmão James tenha concluído sua crítica dos dois primeiros volumes com estas palavras: "O Poema do Homem-Deus é tão demoníaco que, sem uma graça especial de Nosso Senhor Jesus, podemos ser enganados pelas declarações aparentemente inofensivas do Jesus de Valtorta, mas elas incluem mentiras e heresia, contrárias aos ensinamentos da Una e Santa Igreja Católica ". 

_____________________

E o pior é constatarmos que ainda existem muitos defendendo este bispo... Blasfêmias contra Nosso Senhor, Nossa Senhora? Tudo bem. Criticar "nosso bispo"? Bravata! Causadores de divisão! Fanáticos!

Pois eu agradeço a Deus por dividir, por não me deixar ter parte alguma com um bispo que indica tão insaciavelmente (todas as noites, e quando terminar, começar novamente) estas leituras para nossas crianças.

Algo de muito podre se esconde nisso tudo... 

Aqueles que tiverem olhos para ver, que vejam!

AVISO: TROCA DE ENDEREÇO DO BLOG


Prezados leitores,

Informamos que a partir desta segunda-feira (11/04) o endereço de acesso deste blog será trocado por http://missaocristorei.blogspot.com.br/, uma vez que a MISSÃO CRISTO REI não tem mais nenhum vínculo com a ASSOCIAÇÃO CULTURAL SANTO ATANÁSIO que representa o endereço de acesso atual.

         Agradecemos a compreensão,
Thiago Maria. 

sexta-feira, 8 de abril de 2016

A ousadia dos canalhas



O que acontece quando um homem de bem erra? Ele se retrata. Mas o canalha, não. E, então, para sustentar o erro anterior, continua errando. Até chegar à loucura de querer a CORRIGIR Nosso Senhor Jesus Cristo, o canalha! E, para que acreditem nele, mente e assassina a reputação alheia, como se a Verdade deixasse de ser Verdade dependendo de quem a diz. Pode ser o pior dos pecadores, mas a Verdade não muda.          
Isto, senhores, é relativizar a Verdade... coisa de MODERNISTA. E tem mais:  

Dizer que a missa nova é boa e se pode assistir a ela, em particular quando não há missa CATÓLICA... coisa de MODERNISTA.  


Dizer que se pode livremente interpretar as Escrituras, contrariando o que Nosso Senhor Jesus Cristo disse, einstrumentalizando os Doutores e o próprio Magistério da Igreja... coisa de MODERNISTA.      


E o que é um modernista se não um herege? E nem sou eu quem diz, mas São Pio X. E, se o Modernismo é a SOMA DE TODAS AS HERESIAS, o que é um modernista se não o pior de todos os hereges


As almas custaram o Sangue de um Deus bom. Quanta temeridade expô-las a risco por vaidade, por afeição desregrada, por ignorância voluntária!... 


Deixar de seguir a Cristo para seguir bispos imprudentes, e ainda ter o descaramento de se dizer "tradicionalista", me poupem! Esto vir!   


Por questões "didáticas", de agora em diante nos referiremos ao grupelho dos modernistas da Resistência como "Desistência", e a eles como "desistentes". Por que? Oras, se está tudo bem com a Igreja conciliar e quase tudo bem com o Concílio Vaticano II... a que resistem eles? Desistiram! E, como Dom Williamson, o Infalível, decretou que há gente cansada do combate... Desistiram! 


Se alguém discordar... vá se queixar ao bispo. E aproveite para lhe perguntar: "o que fez com o Juramento Antimodernista que jurou solenemente diante de Monsenhor Lefebvre?".      





Dom Williamson e o “acordo de separação amigável”



O trecho da mensagem deixada por Dom Williamson ao Padre Pfeiffer em 15 de Julho de 2012, um dia após a reunião do Capitulo Geral da Fraternidade, foi traduzida por nós para que o publico de língua portuguesa possa ter conhecimento do espirito que animava o Bispo desde o início da formação da “Resistência Católica”. Fica logo evidente para quem quiser entender, que Dom Williamson nunca quis de fato liderar coisa alguma; e que, portando, essa desculpa de que ele não teria “jurisdição” para formar uma organização não é senão a consolidação de uma teoria ( o que por si só já um absurdo)* cujas as origens remontam, na verdade,  de um esquema que pretendia, desde lá, abafar o movimento de resistência contra os projetos de Dom Fellay.

Parece que, como que num relâmpago, toda a história de Dom Williamson na “Resistência” se reflete nessa curta mensagem. Inclusive o permanente “mistério”que ronda a pessoa do Bispo, por tantas e tantas vezes insinuado por ele mesmo em textos, poemas, e conferencias de exóticos sabores. Enfim, que amigável proposta foi essa que ele recebeu? E de quem a teria recebido?  E porque a teria anunciado à um sacerdote? É essa a “resistência” do Bispo e dos que tentam a todo custo defende-lo? Não dá, diante dos acontecimentos presentes e passados e, a luz desse recado telefônico, para não questionar: Aceitou Monsenhor Williamson tal proposta?

Muitos dos leitores brasileiros, não familiarizados com os ocorridos das calamitosas atividades de Dom Williamson na Europa e na América do Norte, ficarão surpresos ao descobrir que, o Brasil, até a publicação dos infames “Comentários Eleisons”, era um dos últimos redutos de tranquilidade na chamada “Resistencia”.  É triste ver que nem  no Brasil, evidentemente lugar privilegiado pelo Bispo, pode sobreviver ao caos profetizado.

Abaixo, a mensagem de Dom Williamson para o Pe. Pfeiifer   

fellay
  
…tenha cuidado, porque, os “bons moços” puderam colocar, ao menos até esse momento, um sério bloqueio no caminho do delinquente Bispo Fellay. Agora, o eminente perigo até o momento esta acabado. O texto que surgirá…., o texto ira mostrar isso. Foi me dito que, se Dom Fellay desprezar isso, acabará por causar um grande problema entre os os bons “capitulares” que organizaram esse bloqueio. Notavelmente os dois bispos, Bispo Galarreta e o Bispo Tissier, estão claramente contra o que Fellay esta fazendo. O perigo agora é que…. cabeças agora irão rolar,  a Sociedade voltará a dormir e Fellay porá em marcha a sua cumplicidade com Roma mais um vez. Esse é o perigo; [mas], pelo menos até esse momento, um sério bloqueio foi posto em seu caminho. Quando Dom Tessier disse que era um “texto comprometido” ele foi bem modesto,  mas ele disse “nós fizemos nosso melhor”,  ainda que ele  esteja dizendo que, em fato, aqueles que tentaram ter sucesso tiveram um sucesso limitado. Eles não obtiveram sucesso em derrubar Dom Fellay, o que teria sido o ideal, mas eles pelo menos bloquearam ele. Ok, aonde [ em que situação] isso te deixa? Ahhh, eu também estou encurralado… eu ainda não sei detalhes mas eu estou debaixo de uma guilhotina. Não solidifique planos para o mês de agosto. Desconsidere os planos… vamos ver o que é possível… existem varias possibilidades, mas não me comprometa porque eu…ahhhhh…eu não sei o que farei….eu ainda não recebi nenhuma oferta mas eu sei que haverá uma proposta. A proposta será a de uma separação amigável, agora… eu tenho que ler os detalhes para que eu possa tomar uma decisão, mas eu ainda não sei o que irei fazer. Então, não conte comigo ainda. E há menos necessidade para essa reunião porque  a Sociedade deu pelo menos um passo para trás, um restabelecimento [ que pode durar] por pelo menos um ano – eu suspeito – como todos nós suspeitamos, [ e então] Fellay marchará com o seu disparate novamente. Ele é um absoluto delinquente.  Mas se ele teve que manter, aparentemente, 80% do texto do capitulo satisfatório, assim ficará muito difícil para ele trabalhar ao redor disso…vai difícil para ele dizer que o que ele pensa é completamente diferente …  A Terceira Guerra Mundial poderá facilmente iniciar daqui até lá [trecho não entendido]….Então, padre, eu diria, pense em voltar para as Filipinas…humm…os bons padres, os padres que levantaram as vozes ( eu acho que já lhe disse)  serão “perdoados” [ em virgulas invertidas, em virgulas invertidas, três vezes invertidas]….[trecho não entendido] mas, em todo caso, você será “perdoado”, mas você provavelmente será transferido para algum outro lugar. Eu não acho que você ira perder muito sendo transferido das Filipinas, eles terão que te colocar em algum lugar… onde você está você poderá fazer um bom trabalho. Mas  Eu realmente penso que no momento… você provavelmente [neste momento] não tem razões suficientes para sair da Sociedade, essa é a minha impressão para esse momento. Eu ainda tenho que falar com Dom Galarreta, mas eu irei – com sorte ….e então ahh, e então ahhh…ele provavelmente irá confirmar o que eu escutei, que pelo menos um nobre esforço por parte dos “bons moços” que ainda que sejam uma minoria, mas que se impuseram eles mesmos pelo peso dos seus argumentos.
Video da Conferêcnia do Pe. Pfeiffer  com um resumo da história da Resistência e a publicação da mensagem de Dom Williamson.

*Postaremos em breve uma resposta do Pe. Eric Jaquimin sobre a questão alegada pelo Monsenhor Williamson  sobre não ter jurisdição para justificar a sua negação em se criar um movimento organizado conforme os moldes católicos.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

A verdadeira face de Madre Angélica, fundadora da Eternal Word Television Network (EWTN)

Apesar de referir-se estritamente a Madre Angélica e a TV EWTN, o artigo abaixo aplica-se muito bem a TODAS as TV’s ditas Católicas no Brasil: TV Canção Nova, TV Século XXI, TV Aparecida, etc. Fiquemos sempre atentos!
Salve Maria e Viva Cristo Rei!

Madre Angélica, a fundadora da Eternal Word Television Network (EWTN)3
Uma das organizações “conservadoras” afiliadas à seita Vaticano II é a EWTN, a rede de televisão “católica” global. Algumas pessoas enganadas persuadiram-se a si mesmas e a outros de que a EWTN é uma forte defensora da verdade católica, e que leva a luz a milhões num mundo que está embebido nas trevas. No entanto, apesar do que muitos pensam, a EWTN é na verdade umveículo para o pior que há na apostasia pós-Vaticano II. A EWTN promoveu a apostasia inter-religiosa de João Paulo II em Assise acompanhou com aprovação a apostasia de Bento XVI na sinagoga na Alemanha, assim como a sua iniciação no islão numa mesquita na Turquia. A EWTN promove a heresia da salvação fora da Igreja; o seu programa de televisão The Journey Home trata a conversão de protestantes ao catolicismo como uma conveniência e não uma necessidade. Essa ideia herética e maligna de que a aderência a seitas protestantes, que rejeitam o ensinamento da verdadeira Igreja, não exclui a pessoa do caminho da salvação, é articulada por quase todos os ”ex-protestantes” que participaram em The Journey Home.
A Madre Angélica, fundadora da EWTN, que tem sido uma das figuras mais significativas da seita pós-Vaticano II, especialmente para os seus membros mais “conservadores”, é alguém que devemos considerar. Falando sobre outras religiões numa emissão de um programa, a fundadora da EWTN, Madre Angélica, afirmou com puro indiferentismo religioso que todos temos o mesmo Deus. Ela disse especificamente que: “Você chama-o de Alá, nós de Jesus.”No ano Jubileu em 2000, a Madre Angélica participou de inúmeros programas nos quais recitou a oração do Jubileu. Na oração, a Madre Angélica falou sobre as “grandes religiões” do mundo – citando a expressão de indiferentismo religioso frequentemente utilizada por João Paulo II e Paulo VI.
Num outro programa no qual participou a Madre Angélica, Alice Von Hildebrand (uma convidada frequente da EWTN) afirmou descaradamente que uma pessoa pode alcançar o céu sendo budista. A forma como foi dito não só indicou que um budista pode ser salvo (o que é heresia, obviamente), mas que não há qualquer obrigação que seja para um budista tornar-se católico. Face a esta tremenda heresia e indiferentismo religioso, afirmado mesmo à sua frente, a Madre Angélica não opôs qualquer objecção, e até comentou com aprovação.

A Madre Angélica e a EWTN sempre foram defensores dos ensinamentos heréticos do Vaticano II.

Além disso, a Madre Angélica foi sempre uma defensora aberta do pior tipo de falso ecumenismo, inclusive o com os judeus. Num programa de televisão, a Madre Angélica e o Pe. Benedict Groeschel discutiam a então recente morte do “Cardeal” John O’Connor. O Pe. Groeschel mencionou que os judeus celebraram um serviço judaico na Catedral de São Patrício após a morte do “Cardeal” John O’Connor. Groeschel, um tremendo apóstata, considerou o serviço judaico na catedral uma coisa muito boa. A Madre Angélica também não perdeu tempo em exclamar: “Isso é fantástico!”
Logo, a Madre Angélica cria que o pior tipo de falso ecumenismo – um serviço judaico na própria Catedral de São Patrício – é “fantástico.” Estes factos, já agora, refutam as asserções ridículas feitas num livro citado abaixo, nomeadamente, que supostamente a EWTN tornou-se modernista apenas após a Madre Angélica ter saído do poder. Mas até Raymond Arroyo, que escreveu a biografia para a Madre Angélica e que é um dos seus maiores apoiantes, admitiu abertamente que ela foi uma promotora do ecumenismo, cujo trabalho pôde, como consequência, ser apoiado por membros de religiões não-católicas. “O mosteiro [sob os auspícios de Madre Angélica] tinha se tornado uma pedra angular do ecumenismo em Birmingham, um projecto inspirado o qual protestantes, judeus, e católicos podiam apoiar. A personalidade da Madre Angélica assim o fez.”4

Em resumo, a EWTN é um mecanismo do qual o Demónio serviu-se para fazer com que as mentalidades conservadoras entre aqueles que se professam católicos se tornassem confortáveis com a apostasia pós-Vaticano II.

Em 1980, Madre Angélica foi a Carolina do Norte5 e apareceu na rede de televisão protestante PTL, que foi fundada por Jim Bakker, ministro da “Assembleia de Deus”, e sua mulher, Tammy Faye. “A Madre Angélica apareceu na PTL várias vezes durante o ano de 1979, aclamada por muitos e colocada pelas sondagens entre as favoritas da audiência… Bakker gostou tanto da freira, que ele enviou uma equipe de peritos em criação e instalação de cenários para Birmingham para que fosse construído o seu primeiro estúdio.”6 O facto de um ministro protestante ter ficado tão impressionado com ela ao ponto de enviar uma equipe de profissionais para fazer o seu estúdio, demonstra, uma vez mais, que a sua mensagem não era católica, mas ecuménica.
Madre Angélica e o Movimento Carismático
A Madre Angélica estava também ativamente envolvida no Movimento Carismático (RCc), um movimento que é bastante difundido na seita Vaticano II. O Movimento Carismático é um falso movimento fortemente infectado com ideias e tendências heréticas protestantes. Em 11 de Fevereiro de 1971, “Barbara Schlemon, uma carismática reputada por ter o dom da cura, passou por Birmingham e pediu ao Pe. De Grandis [um padre carismático] que a levasse a conhecer a Madre Angélica… Na capela, Schlemon e o padre impuseram as mãos na Madre, invocando o baptismo no Espírito Santo.”7 Cerca de uma semana depois, “sem qualquer explicação, a boca da Madre Angélica expeliu palavras numa língua estrangeira. Quando a Irmã Regina aproximou-se para dar-lhe um copo de sumo de laranja, a Madre tentou agradecer, mas ‘algo diferente saiu-lhe da boca.’”8 Devemos enfatizar que este facto bastante significativo é admitido numa biografia sobre a Madre Angélica escrita por um dos seus maiores apoiantes: o pivô da sua rede de televisão, Raymond Arroyo.
No Sábado Santo de 1971, o Padre De Grandis e a Madre oraram sobre cada membro da comunidade. Com exceção de uma freira, todos experienciaram o Baptismo do Espírito Santo, e todos receberam algo. Após esta experiência, a Irmã Joseph e as outras freiras creram que o Senhor começou a falar a elas. No Domingo de Páscoa, toda a comunidade estava ‘a falar em línguas.9
O falar em línguas desconhecidas ao indivíduo que as fala, assim como falar coisas incompreensíveis, etc., é muito frequentemente um sinal de possessão demoníaca. Isto é especialmente verdade quando fruto de uma experiência carismática na qual uma pessoa impõe as mãos na outra a fim de que esta receba “o espírito.” Os leitores são, como é óbvio, perfeitamente livres de aceitar isto ou não: mas um indivíduo que conhecemos de Massachussetts10, que estava bastante envolvido no Movimento Carismático anos atrás, disse diretamente a um de nós que sentiu um demônio a possuí-lo após uma imposição de mãos de um carismático num serviço. Ele disse-nos também que, numa conferência carismática, Deus permitiu que ele visse um pequeno demônio a entrar numa sala. Perplexo pelo que tinha acabado de presenciar, ele seguiu o demônio e esperou a ver se esse saía da sala; mas a única coisa que saiu da sala foi o padre carismático que estava prestes a realizar o seu serviço de “cura” rezando sobre as pessoas. Esta experiência fê-lo abandonar o Movimento Carismático.
Cremos que Deus permite que demônios possuam essas pessoas nesses serviços carismáticos porque, ao participarem deles, tais pessoas estão essencialmente a afirmar que os sacramentos da Igreja Católica, os sete que foram instituídos por Jesus Cristo, não são suficientes. Professam, portanto, que precisam de um novo conjunto de ritos feitos pelo homem – ritos esses que estão fora do sistema sacramental – de modo que possam receber verdadeiramente “o espírito.” A sua participação em tais “ritos” faz com que pratiquem uma nova religião com o fim de receberem “o espírito” fora dos meios instituídos por Cristo. Como consequência, esses “ritos” carismáticos tornam-se novos “sacramentos” de uma falsa religião que abre as portas ao espírito maligno, e não ao Santo.
É importante deixar claro que a imposição de mãos está presente por todo o Novo Testamento como a matéria do Sacramento da Confirmação (e.g. Actos 8:17; Actos 19:6) – um sacramento instituído por Jesus Cristo. É irônico que na nova “Confirmação” da seita Vaticano II, a imposição de mãos tenha sido abolida, e que os carismáticos continuem a utilizá-la para a transmissão do “espírito.” Uma vez que sabemos que a sua imposição de mãos, cujo fim é transmitir o “espírito,” não é o Sacramento da Confirmação (pois até mulheres e leigos a podem realizar), essa é na verdade a contra-Confirmação – um falso sacramento que, mais uma vez, dá acesso, não ao Espírito Santo, mas ao espírito maligno.
Portanto, tal como alguém que recebe o Sacramento da Confirmação dignamente, recebe mais profundamente o Espírito Santo, a participação ativa em tais novos “ritos” ou “sacramentos” da falsa religião carismática – tais como a sua “imposição de mãos” – faz com que esses infelizes recebam mais profundamente o espírito maligno. É por este motivo que, em tais encontros carismáticos, os “católicos” chegam a grunhir como porcos, ladrar como cães, e têm escandalosos e incontroláveis ataques súbitos de riso. Estas coisas, especialmente o grunhir como porcos e o ladrar como cães, são claros sinais de possessão demoníaca.
Fazemos referência à experiência deste indivíduo porque a própria Madre Angélica não apenas falou inúmeras vezes das suas próprias “experiências” místicas, mas também admitiu algo impressionante sobre a sua reação após ter recebido a imposição de mãos de carismáticos. A sua reação bate certo com a experiência do homem citado acima. A Madre Angélica disse que, na sua experiência, após ter recebido a imposição de mãos dos carismáticos, palavras saíram da sua boca as quais não tinha intencionado falar, e que tal experiência assustou-a. Ela relembrou:“Palavras saíram, mas eu não fazia ideia do que eram. Isso assustou-me.”11 A Madre Angélica não percebeu que tinha sido um espírito maligno que a tinha possuído após o seu contacto com os carismáticos. Ela continuou a promover esse movimento.
No dia 2 de Dezembro de 1977, a Madre Angélica liderou um retiro para membros da seita carismática em Birmingham, com 28 líderes a acompanhá-la, os quais eram chamados de “guardiões.” Na capela, “a Madre impôs as suas mãos em cada guardião, orando em línguas pela fidelidade desses. Alguns entoaram numa santa algaraviada [sons confusos], outros eram ‘imolados no Espírito.’”12 Um dos participantes disse mais tarde que o que se passou tratou-se de um “arrebatamento carismático no seu auge.”13 Após a morte de Paulo VI, “a Madre Angélica impôs as mãos em Matt Scalici, Jr. na sua capela.”14
A biografia da Madre Angélica afirma que ela após essa altura começou “gradualmente” a abandonar o Movimento Carismático. Trata-se de uma declaração vazia, por que a sua rede continuou a promover os maiores carismáticos no país, tais como os tipos da Franciscan University e os da sua laia.
Na nossa opinião, o envolvimento inicial da Madre Angélica no diabólico Movimento Carismático é muito significativo. Isso porque a EWTN tem sido um veículo através do qual o Demônio mantém muitos “conservadores” dentro da seita Vaticano II pela sua mistura de conservadorismo (i.e. algumas coisas que são verdades na Tradição católica) com a apostasia da religião Vaticano II. Personalidades como Madre Angélica têm sido como ímanes que mantêm os “conservadores” enganados e devotos à contra-Igreja. Muitos estão persuadidos que pessoas como Madre Angélica na Igreja pós-Vaticano II são provas de que uma verdadeira vitalidade espiritual pode ainda ser nela encontrada, quando, na verdade, trata-se de uma falsa Igreja e a aderência à sua apostasia leva à perdição. Faz sentido que a líder deste apostolado enganoso na EWTN, Madre Angélica, tenha iniciado recebendo um espírito diabólico num evento carismático.
De facto, a Madre Angélica afirmou que o seu percurso na EWTN foi marcado por várias experiências místicas e orientado por essas.
“Durante uma altura de alívio na sua convalescença, a Madre afirmou ter visto o Menino Jesus a correr desenfreadamente pelos corredores do mosteiro. Esta certamente não foi a única ocorrência.”15
Perguntamos: “correr desenfreadamente pelos corredores do mosteiro” soa mesmo como algo que o Menino Jesus faria? Não soa isto mais ao comportamento de um demônio durante a sua labuta pela destruição das almas? Baseado naquilo que já falámos sobre o incentivo à heresia e o apoio a falsas religiões e ao diabólico Movimento Carismático de Madre Angélica, uma pessoa deve concluir que trata-se da última hipótese, e não da primeira.

Mateus 24:24-25 – “Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão grandes milagres e prodígios, de tal modo que (se fosse possível) até os escolhidos seriam enganados. Eis que eu vo-lo predisse.”

A Madre Angélica também disse que o Menino Jesus apareceu a ela e disse-lhe, “Constrói-me um templo e eu ajudarei aqueles que te ajudam.”16 Embora igrejas possam ser descritas como “templos” – como dissemos antes na seção sobre 2 Tess. 2:4 – um “templo” também pode descrever um local de ofício religioso judaico ou uma loja maçónica. Uma vez que a Madre Angélica promoveu a ideia herética e falsa de que os judeus não precisam de Jesus Cristo para a salvação, é certo que não foi Nosso Senhor que lhe ordenou que construísse um templo católico. Foi antes um outro espírito maligno (um similar àquele que ela recebeu no evento carismático) dizendo-lhe, sem que ela o percebesse, para construir um “templo” para a nova religião da seita Vaticano II.

É muito interessante que o topo da Cruz na parte exterior do seu “templo” (um templo que custou à Madre Angélica 50 milhões de dólares!) foi atingido e danificado por um raio durante uma tempestade fortíssima, deixando apenas um “T,” e não a cruz normal. Assim permanece até hoje.

Voltemos à apostasia promovida pela EWTN. O Pe. Benedict Groeschel é uma figura muito importante na EWTN. Groeschel não admitiu certos convertidos ao “catolicismo”; declarou que ele nunca “caiu nessa” de que os não-católicos não se podem salvar (um dogma definido); pregou em “200 igrejas protestantes e numas cem sinagogas”; disse que os sacramentos não são necessários para a salvação, e até negou que Nosso Senhor tenha sequer dito “Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós” (João 6:53)!17
Os “doutores” da EWTN rejeitam totalmente a necessidade da Igreja Católica para a salvação. Esses “doutores” dizem a não-católicos que lhes pedem orientação – inclusive a um judeu que rejeita Cristo e a mulher de um cismático “ortodoxo” que punha em questão a obrigação do seu marido de converter-se – que estão bem onde estão e a caminho do Céu.18
A EWTN também promove uma organização chamada de Associação de Católicos Hebraicos (Association of Hebrew Catholics [AHC]). A Associação de Católicos Hebraicos é composta por supostos “convertidos” do judaísmo. Esses estão, efectivamente, a tentar criar uma seita judaica naquilo que chamam de “Igreja Católica.” Esta organização é liderada por David Moss, que participou em emissões da EWTN inúmeras vezes. David Moss é irmão de Rosalind Moss, que apresentou programas na EWTN e é empregada pela “Catholic Answers” (“Respostas Católicas”). Esta ACH – composta, mais uma vez, por supostos “convertidos” do judaísmo – promove a ideia de que os que católicos que se convertem do judaísmo podem continuar a praticar a Antiga Lei (uma ideia solenemente condenada pelo Concílio de Florença19).
“Ignorando o ensinamento da Igreja de que os rituais e observâncias da Lei Mosaica foram abolidos com o Novo Testamento, e de que é mortalmente pecaminoso observá-los, ao católico que lhe pediu a opinião Moss recomendou: ‘vá a uma sinagoga local e observe aquilo que fazem, e ouça aquilo que dizem. Você pode participar de uma celebração de Páscoa,’ adicionou… […] Moss a seguir recomendou aos católicos que fizessem o mesmo [isto é, que seguissem a prática dos ‘judeus messiânicos’], celebrando a Páscoa e o Rosh Hashanah… […] Esta conclusão é apoiada por um item no sítio de Internet da ACH intitulado Through the Hebrew Catholic Year – A Collection of Traditions and Prayers for the Jewish Holidays for Catholics. [Para ao Longo do Ano Católico Hebraico – Uma Colecção para Católicos de Tradições e Orações dos Dias Santos Judaicos]. Aqui a ACH advoga um celebração ‘católica’ do Rosh Hashanah, Yom Kippur, Succoth, Purim, Páscoa, Shavuoth, e Hanukkah, utilizando orações ‘adaptadas dos livros de oração tradicionais judaicos.’”20
Isto é uma promoção de pecado mortal, heresia e apostasia.
A EWTN é, infelizmente, uma rede de televisão herética, modernista, promotora do falso ecumenismo e que mistura apostasia, promoção do Concílio Vaticano II, a Nova Missa, e a nova religião com alguma programação interessante. Aqui está um email interessante que recebemos sobre o assunto:
“Bom dia, pus-me a ver a EWTN esta manhã. Encontro-me de vez em quando a ver o serviço Novus Ordo durante o meu processo de decisão, i.e., o que fazer relativamente à minha fé católica. Ouvi o ‘celebrante principal’, Pe. Francis, a dizer: ‘… a Igreja nunca disse que outros cristãos não receberão a salvação… aqueles que o dizem são mentirosos e mal informados… a Igreja Católica é como uma refeição de cinco pratos, se você quiser a refeição inteira, venha para a Igreja…’
“A homilia do dia está disponível online (penso que no dia seguinte). Vós talvez podereis utilizar esta declaração, após a verificarem, como a vossa ‘Heresia da Semana’. Esta ‘doutrina’ espalhou-se a inúmeras pessoas ao vivo. Se não for incluída como uma das ‘Heresias’ – enviem uma cópia do vosso livro “Não há Salvação” ao infeliz.
Orai por mim,
G. M.”

Questionamo-nos se alguns dos apoiantes da EWTN que ouviram ou assistiram o sermão alguma vez consideraram profundamente as suas implicações: o que isso significa em relação à sua presença na igreja, todo o seu esforço para assistir à “Missa,” etc. Interrogamo-nos se bateu a qualquer um deles que isso significa que ser católico, rezar o Rosário, ir à confissão, etc., não tem qualquer sentido.
Nós certamente esperamos a conversão do “Pe.” Francis, mas temos de dizer que ele está demasiado cego pela sua apostasia para ver a sua idiotice; demasiado cego para entender que aquilo em que ele crê é que o seu próprio “sacerdócio” – e toda a rede de televisão EWTN – é uma completa perda de tempo. Se você crê naquilo que a EWTN e o “Pe.” Francis crêem, você teria de ser um completo idiota para se converter ao catolicismo. Bastaria que fosse a uma igreja local luterana, confessasse a sua fé em Jesus como Senhor e seguisse a sua vida.
Portanto, não se deixe enganar pelas aparências externas. Os hereges sempre utilizaram as aparências externas em maior ou menor grau. Não se deixe enganar por aqueles que alegam ter algum apego à fé católica, ou a Nosso Senhor, ou a Nossa Senhora ou aos santos, mas que no entanto rejeitam um dogma. A não ser que aceitem toda a verdade, não passam de uma farsa. O “Pe.” Francis fala ocasionalmente de trazer os mais novos a Cristo no seu programa de televisão “Life on the Rock” [Vida na Pedra]. Soa bem e devoto, não soa? Mas a seguir ele comenta e elogia publicamente a negação de Cristo por parte de Bento XVI na sua visita à sinagoga e o seu apoio à religião judaica. Ele fala de trazer os mais novos a Cristo enquanto crê que Cristo é desnecessário.

Este email demonstra-nos uma vez mais que farsantes misturam um certo apego a coisas católicas com uma rejeição da verdade católica. Agem como se fossem devotos a Deus, e certamente dizem coisas boas e conservadoras, mas são abominações aos olhos de Deus.

Por falar em farsantes, uma menção deve ser feita do “Pe.” John Corapi da EWTN. Aqueles que já o viram sabem que Corapi prega como se fosse devoto a Nosso Senhor e à fé católica – demonstrando um ímpeto contra o pecado e defendendo a Eucaristia no seu jeito melodramático. Ele é um completo farsante, pois crê que tudo isso é desnecessário. Ele crê que você pode ser um protestante que rejeita completamente Nossa Senhora, o papado e a Eucaristia, ou que pode ser até mesmo um judeu que rejeita totalmente a Cristo.
Mateus 23:27-28 – “… sois semelhantes aos sepulcros branqueados, que por fora parecem formosos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda a sorte de podridão! Assim também vós por fora pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e iniqüidade.”
Um de nós ligou uma vez à secretária do “Pe.” Corapi, e perguntou-lhe: “É necessário ser católico para se salvar?” Ela respondeu sem quaisquer rodeios: “Não.” Um de nós então indagou, “então para que ser católico?” Ela disse: “Porque ser católico é estar na posse de toda a verdade.” Um de nós respondeu: “Mas não é necessário, de acordo consigo.” Ela confirmou. Eis o vazio, a estupidez e o quão demoníaca é a religião do Vaticano II.